Poder na fraqueza – John Stott


podernafraquezaPorque a palavra da cruz é deveras loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a sabedoria o entendimento dos entendidos. Onde está o sábio? Onde o escriba? Onde o questionador deste século? Visto como na sabedoria de Deus o mundo pela sua sabedoria não conheceu a Deus, aprouve a Deus salvar pela loucura da pregação os que crêem. Pois, enquanto os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria, nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos, mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus. Porque a loucura de Deus é mais sábia que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte que os homens. Ora, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos. Nem muitos os nobres que são chamados. Pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para confundir os sábios; e Deus escolheu as coisas fracas do mundo para confundir as fortes; e Deus escolheu as coisas ignóbeis do mundo, e as desprezadas, e as que não são, para reduzir a nada as que são; para que nenhum mortal se glorie na presença de Deus. Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção; Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? Para que, como está escrito: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor. E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado. E eu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor. A minha linguagem e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração do Espírito de poder; para que a vossa fé não se apoiasse na sabedoria dos homens, mas no poder de Deus. (I Corintios 1:18-2:5)

Nesta passagem o apóstolo Paulo menciona quatro vezes o poder (1:18-24; 2:4-5). Faz referência ao poder de Deus, da cruz, de Cristo e do Espírito Santo. A estas referências podemos agregar mais duas, tomadas de sua segunda carta aos  Corintios:

Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não da nossa parte. (II Corintios 4:7)

E ele (o Senhor) me disse: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. Por isso, de boa vontade antes me gloriarei nas minhas fraquezas, a fim de que repouse sobre mim o poder de Cristo. (II Corintios 12:9)

Hoje vivemos em uma sociedade que adora o poder. Obviamente, a situação não é nada nova. A cobiça pelo poder tem caracterizado sempre o ser humano. Foi precisamente essa ambição que conduziu a queda de Adão e Eva, já que Satanás os tentou a desobedecer em troca de lhes dar poder.

A sede de poder se expressa hoje em três ambições humanas muito amplas: a ambição desmedida pelo dinheiro, de fama e influência. Encontramos esta cobiça pelo poder em todos os âmbitos: na política, na vida pública, nas relações familiares, nos negócios, na indústria e no exercício profissional. Lamentavelmente, também aparece na igreja: na luta pelo poder eclesiástico nos altos níveis, nas disputas denominacionais, no exercício da liderança em algumas igrejas locais e ainda nas organizações paraeclesiasticas que pretendem conveter se em impérios mundiais. Se formos honestos, descobrimos que esta sede de poder chega ao púlpito. O púlpito é um lugar extremamente perigoso para qualquer filho de Adão. O poder é mais intoxicante que a bebida e mais vicioso que as drogas. Lorde Acton, um político inglês do século XIX, estava preocupado pelas lutas de poder no seio do governo que pretendia ser democrático, e ainda na igreja católica romana, à que ele pertencia. Em 1817, o Concilio Vaticano I declarou a infalibilidade do Papa. Lorde Acton manifestou seu desacordo, e suas palavras seguem vigentes: “O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente”.

Também deveria nos preocupar a luta pelo poder que vemos entre os evangélicos, ainda se se trata do poder do Espírito Santo. Porque queremos receber poder? Buscamos realmente o poder para testificar, para viver em santidade, para viver com humildade? Ou reflexa um desejo egoísta de exaltar nossa própria figura, ampliar nossa influência, impressionar e até manipular a outros? Até o evangelismo pode ser, em ocasiões, uma forma velada de imperialismo se promove mais o poder humano que o Reino de Deus. Nossa única preocupação deveria ser a majestade absoluta do Senhor Jesus Cristo e a honra de Seu Reino.

Cristo mesmo nos adverte contra a ambição de poder. Ainda que no mundo se usa a autoridade para controlar outros, Jesus disse a seus discípulos que não devia ser assim entre eles:

Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser tornar-se grande, será esse o que vos sirva; e qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos. Pois também o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos. (Marcos 10:42-45)

Jesus não se aferrou ao poder que legitimamente lhe pertencia. Se Ele renunciou ao poder, nós devemos fazer o mesmo. Esta perspectiva é totalmente oposta à do mundo. Este valoriza o poder. Deus, pelo contrário, insiste na humildade. Não há maneira de reconciliar estas duas perspectivas. São opostas e devemos escolher entre elas.

Provavelmente temos absorvido mais do que demos conta desta mentalidade secular. O filósofo Nietszche construiu todo um sistema sobre a premissa do poder. Propunha um mundo dominado por governantes autoritários e opressores, no qual não havia lugar para seres débeis e enfermos. Seu ideal era o super homem. Nietszche adorava o poder e depreciava a Jesus Cristo por sua fraqueza. Ao contrário, o modelo que Cristo pôs diante de nós foi um menino.

Por isso, o Título deste capítulo nos apresenta diretamente o paradoxo do evangelho: poder na fraqueza. Esse é o tema central de ambas as cartas de Paulo aos coríntios. Diferente do mundo, o poder de Deus se mostra por meio da fraqueza. A fragilidade humana é o terreno no qual se manifesta o poder divino.

Na passagem de I Corintios 1:17-2:5 encontramos três expressões da mesma realidade: o poder de Deus se mostra na fraqueza da mensagem, na fraqueza dos receptores desta mensagem, e na fraqueza daqueles que pregam a mensagem.

Fonte: Sinais de uma igreja viva 

Leia a série completa AQUI 

Anúncios

Sobre Blog do Lino
Sou filho de Deus.

2 Responses to Poder na fraqueza – John Stott

  1. jose ari says:

    Gosto muito do Jonh,principalmente ´´Mentalidade Cristã.“

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: