Série Elementos Para Um Estudo Bíblico Produtivo: Interpretar – Parte 2


Por John MacArthur

Ler fielmente a Escritura é fundamental para seu crescimento espiritual. Mas ler sozinho não é o suficiente para santificar você: é apenas o primeiro passo do processo.

Para conseguir verdadeiramente o completo significado – e o completo benefício – da Escritura, você deve ser capaz de interpretá-la corretamente. Enquanto você pode ser capaz de recolher alguma verdade eterna de uma básica e superficial leitura do texto, a Palavra de Deus merece e exige nossa cuidadosa atenção e estudo diligente.

Nós já vimos no último estudo alguns dos perigosos erros que as pessoas cometem ao partirem para a interpretação da Bíblia. Hoje eu quero realçar cinco principais ferramentas de interpretação bíblica. Existem recursos que eu frequentemente uso quando estou me preparando para ensinar e sei que elas ajudarão você em seu próprio estudo.

O princípio literal

Em poucas palavras, isso significa que você tem de tomar palavras da Escritura em seu literal, normal e natural sentido. Uma observação literal da Palavra de Deus ajudará você a guardar-se dos espúrios métodos de interpretação como a numerologia, a alegoria extrema e o misticismo. O que cada palavra significa é o que ela quer dizer.

Obviamente que isso não é um convite para o rídigo e servil literalismo. Mas mesmo onde a Escritura emprega parábolas, hipérbole, simbolismos, metáforas e afins, nós devemos ler e entender aquelas figuras de discurso em seu sentido normal e natural.

Fãs da alegoria irão apontar para a linguagem figurada implantada em algumas profecias apocalípticas, mas que está distante da norma das Escrituras. E mesmo naquelas passagens, uma clara compreensão se baseia no estudo histórico e não na imaginação do leitor.

Não se aproxime das Escrituras como se ela fosse um mapa do tesouro ou um enigma que precisa ser resolvido para acessar algum significado secreto. Se você ignorar o entendimento literal, você irá descartar qualquer esperança de uma interpretação coerente e precisa. Com poucas exceções, o simples e direto significado do texto é o originalmente pretendido.

O principio Histórico

Nós precisamos trabalhar para entender a Bíblia em seu contexto histórico e original. Pergunte a você mesmo essa questão: “O que esse versículo ou passagem significou para seu autor e público originais?”. Um texto sem contexto é um pretexto.

Para entender completamente algum livro da Bìblia, você precisa estar consciente da história envolvida nele. Quem foi o público original? O nde eles viveram? Quais eram as condições culturais e políticas da época? Quais eram as tensões, os problemas e as crises naquela comunidade no tempo dos escritos, e quais questões o autor abordou? Existiam costumes ou rituais específicos que tinham um impacto sobre o significado do texto?

Responder essas e outras questões ajuda a preencher lacunas entre a cultura da Bíblia e a nossa sociedade moderna, trazendo a você uma clara e completa compreensão da mensagem original do autor.

O principio gramatical

Frequentemente, a construção sintática da passagem é a chave de seu real significado. Verbos, substantivos, pronomes, preposições – como em qualquer outra língua, o uso e a colocação de palavras individuais ajudam a determinar o que ela quer dizer.

Sentença de diagramação não é tão estressante nas aulas como foi a primeira vez, mas identificar a parte gramatical de um versículo ou passagem e como elas trabalham juntas é de grande importância quando se estuda as Escrituras. Se você não seguir precisa e corretamente a sequência das frases e palavras, como você espera conhecer verdadeiramente o que a Palavra de Deus diz?

A primeira coisa que eu faço quanto eu me preparo para ensinar uma passagem é estudar o texto bíblico em sua língua original. Eu realmente quero obter o sentido completo de cada palavra na passagem e não negligenciar alguma nuance que possa ser perdida na tradução para a minha língua mãe. Você pode fazer o mesmo em seu estudo pessoal, mesmo se você não conhecer o Grego e o Hebraico. Livro que forneçam traduções, dicionários bíblicos e bons comentários devem dar a você o discernimento dentro da língua original e te ajudar a desvendar o que as palavras e frases significaram para seu público original.

O princípio da síntese

Se a Bíblia é a Palavra de Deus, então ela deve ser consistente consigo mesma. Nenhuma parte das Escrituras podem contradizer outras. Ela foi inspirada por seu Autor – O Espírito Santo – e, consequentemente, ela reflete uma maravilhosa e sobrenatural unidade.

Isso significa que passagens de difícil compreensão podem – e devem – ser entendidas à luz de algumas passagens mais claras. O princípio da síntese põe a Bíblia junto com a Bíblia para se chegar a um claro e consistente significado. Se você se mantém na interpretação de uma passagem que não se enquadra com algo em outra passagem, isso significa que alguma passagem está sendo interpretada incorretamente – ou ambas!

Usar a Bíblia para interpretar a si mesma também guardará você de muitas doutrinas heréticas e extrabíblicas, como força você a submeter sua interpretação ao padrão do contexto do resto da Bíblia. Isso protege você de contradições espirituais.

O princípio prático

Você não pode finalizar seu estudo bíblico sem perguntar a si mesmo: “O que tudo isso tem a ver comigo?”. “O que essa passagem tem a dizer sobre fé, piedade, crescimento, pecado, arrependimento e quais as implicações para minha vida?”.

Independentemente do que você estiver estudando, haverá na passagem em questão alguma aplicação prática para sua vida. Como Paulo disse em 2 Timóteo 3:16. “Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir e instruir em justiça”.

Uma vez que você considerou o significado literal da passagem, seu contexto histórico e gramatical, e como ela se harmoniza com o restante das Escrituras, você precisa extrair implicações práticas para sua vida. Justamente o que um produtivo estudo bíblico produz – mergulhar no significado original do texto e aplicá-lo à sua vida.

Isso se parece com alguma coisa que você pode fazer fielmente em seu próprio estudo da Palavra de Deus?

LEIA A SÉRIE COMPLETA AQUI

Postado originalmente em 27 de setembro de 2012

Tradução: Tiago Lino

Fonte: GRACE TO YOU

Desde que preservada as fontes e o conteúdo, a reprodução é livre.

Anúncios

Sobre Blog do Lino
Sou filho de Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: