Jonathan Edwards morreu, mas sua mensagem ainda fala


Alguém que alcançou grandeza como um pregador-evangelista americano, diretor de uma faculdade, místico e reavivalista.

Jonathan Edwards não é apenas o maior de todos os teólogos e filósofos americanos, mas também o maior de nossos escritores do período que antecede o século XIX. Dessa maneira escreve Randall Stewart em seu livro: “Literatura Americana e Doutrina Cristã”.

Aqui está um conciso resumo da vida de Edwards, originado da hábil pena de Perry Miller:

“Jonathan Edwards foi um dos cinco ou seis maiores artistas da América que, afortunadamente, se decidiu por trabalhar com ideias ao invés de poemas e novelas. Ele teve muito mais de psicólogo e homem sensível do que de um lógico. Ainda que ele tenha devotado seu gênio a tópicos derivados do corpo teológico (a vontade, virtude e o pecado), ele traçou-os da melhor maneira que um expectador poderia fazer…”

Para nós, ver Jonathan Edwards ascender ao seu púlpito hoje, com uma vela em uma mão e seu sermão manuscrito em outra, causaria deboche na congregação. A partir de nossos modernos assentos acolchoados da igreja, com galerias acarpetadas e tranquilizante música de fundo, nós dificilmente capturaríamos a antiga dignidade da igreja despretensiosa onde Edwards e outros mantiveram cativos os corações e mentes dos seus ouvintes.

Quando Jonathan Edwards “pronunciava-se” pelo Espírito, a face sem expressão, a voz melodiosa e as vestes solenes eram esquecidas. Ele não era nem simplório nem preguiçoso. Ele era um “coração” devotado à intenção de partilhar a palavra da verdade. Mas, ao fazer isso, Edwards ardia em fogo. E mesmo assim – para ele – o sensacionalismo era um anátema. Gerar sensação nunca foi o pensamento por trás de nenhuma de suas pregações. Erudição em chamas por Deus é, em minha mente, a oitava maravilha do mundo. E Edwards possuía isso!

A língua de Edwards deveria ser parecida com uma afiada espada de dois gumes para seus atentos ouvintes. Suas palavras deveriam ser tão dolorosas para os corações e consciências quanto o metal incandescente é para a carne. Não obstante, homens deram atenção, arrependeram-se e foram salvos.

“Conhecendo o terror do Senhor” (algo aparentemente esquecido em nossos dias, tanto no púlpito quanto nos bancos da igreja) Edwards inflamava com ira santa. Indiferente quanto às consequências de tamanha severidade na pregação, ele trovejava tais palavras de seu púlpito:

“O arco da ira de Deus está retesado e suas flechas preparadas sobre a corda. A justiça divina aponta a flecha para seu coração e estica o arco. Não há nada senão o bel-prazer de Deus – e isso tudo de um Deus irado, que não tem nenhuma promessa ou obrigação para com o pecador – que mantém por um momento a flecha de ser embebida com seu sangue”.

Proferir verdades como essa, com lágrimas e ternura, requer um homem ungido, porém destemido e cheio de compaixão.

Mas, nos corações e mentes dos ouvintes deve haver também um pouco de graça prévia em operação. Aparte disso, os homens deveriam rebelar-se contra essa áspera varredura de poder sobre suas almas. Entretanto, antes do furacão espiritual de Edwards, a multidão entrou em colapso. Alguns caíram ao chão como se fossem troncos cortados por machado. Outros, com as cabeças curvadas, agarraram-se nas colunas do templo como se estivessem com medo de caírem nas mais baixas profundezas do inferno.

Edwards chorava enquanto pregava. Nisso ele era um parente espiritual do poderoso Brownlow North (pregador inglês), do avivamento que ocorreu anos depois na Irlanda, em 1859. A lei divina do Salmo 146.6 nunca foi e nunca poderá ser ab-rogada: “Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos”.

Como pastor de uma das maiores, mais próspera e socialmente comprometida igreja da Nova Inglaterra, Edwards possuía uma rara percepção das necessidades do seu rebanho. Ele ainda mantinha um coração com grande ternura pela sua saúde espiritual.

Vamos até os bosques onde Edwards está sozinho com seu Deus. Vamos engatinhar até atrás de uma árvore retorcida e escutar sua oração quebrantada:

“Eu sinto uma ardência na alma para ser… esvaziado e aniquilado, para permanecer no pó e ser cheio apenas Cristo apenas, a fim de amá-Lo com um santo e puro amor, de confiar Nele, de viver Nele e de ser perfeitamente santificado e feito puro com uma divina e celestial pureza”.

Edwards também era “aparentado espiritualmente” com George Whitefield, seu contemporâneo.  Foi o poderoso americano, Jonathan Edwards, entusiasmado pelo apóstolo inglês, Whitefield? Porventura os trovões da vibrante alma de Whitefield – que naquela época tempestearam a Nova Inglaterra – causaram um distúrbio e um desafio na normalidade da vida de pregação de Edwards? Essa não é uma questão retórica. Ela não pode ser respondida completamente, mas contém mais que uma especulação. Nós realmente sabemos que após encontrar o jovem George Whitefield, Jonathan Edwards mudou seu estilo de pregação.

Aprouve ao Senhor colocar Edwards de lado em um pequeno pastorado em Stockbrigde, Massachusetts. Esse banimento veio devido a uma diferença que Edwards teve com um certo senhor Stoddard, que administrou a Ceia do Senhor para alguns que não haviam feito pública profissão de sua fé em Jesus Cristo como seu salvador pessoal. Porém, nessa exclusão, a mente brilhante de Edwards tomou asas. Seu pensamento longamente incubado veio à luz. Assim, ele poderia dizer ao senhor Stoddard o que José disse para seus irmãos: “Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem”. Da sua pena – naquela época – fluiu o melhor de seus escritos. Edwards dormiu, mas sua mensagem ainda fala.

Quando a voz de Milton (John Milton, escritor inglês) há muito havia sido silenciada pela morte, Wordsworth (William Wordsworth) clamou:

“Milton, tu deverias ter

Vivido nessa hora:

A Inglaterra precisa de ti;

Ela é um pântano de águas estagnadas”.

Nós poderíamos parafrasear aquelas palavras desta maneira:

“Edwards, tu deverias ter

Vivido nessa hora:

A América precisa de ti

Ela é um pântano (espiritualmente falando)

De águas estagnadas”.

Uma fina casca – mui fina casca de moralidade – pelo que parece a mim, retém a América de um completo colapso. Nessa perigosa hora nós precisamos de uma geração inteira de pregadores como Edwards.

“Óh Senhor dos Exércitos, traze-nos de volta; faça sua face brilhar sobre nós, assim seremos salvos”!

Contraste esse grande homem de Deus com um de seus contemporâneos. Cito abaixo algumas palavras do livro “Crise na Moralidade”, de Al Sanders:

“Max Jukes, o ateu, viveu uma vida sem Deus. Ele se casou com uma garota descrente e, dessa união, houveram 310 descentes que morreram como indigentes, 150 foram criminosos, 7 foram assassinos, 100 foram beberrões e mais da metade das mulheres foram prostitutas. Seus descendentes custaram ao Estado 1,25 milhões de dólares.

Porém, louvado seja o Senhor que trabalha das duas maneiras. Há um registro de um grande americano – homem de Deus – Jonathan Edwards. Ele viveu na mesma época de Max Jukes, mas ele se casou com uma mulher de Deus. Uma investigação foi feita em seus 1.394 descendentes conhecidos, dos quais 13 se tornaram presidentes de faculdade, 65 professores universitários, 3 senadores dos EUA, 30 juízes de direito, 100 advogados, 60 cirurgiões, 75 oficiais do exército e da marinha, 100 pregadores e missionários, 60 autores de proeminência em suas áreas, 1 vice-presidente dos EUA, 80 que se tornaram qualificados como oficiais do governo, 295 graduados em universidades, entre os quais houveram governadores de Estados e diplomatas para nações estrangeiras. Seus descendentes jamais custaram um centavo para o Estado. “A memória dos justos é abençoada” (Provérbios 10.7)”.

Para nós, isso é a conclusão de tudo que importa!

Para baixar este texto, clique aqui.

Traduzida da versão da Bethany House Publishers. Este artigo de Leonard Ravenhill foi veiculado no DAYSPRING, com direito autoral da Bethany House Publishers, 1963, um ministério da Bethany Fellowship, Inc. Todos os direitos reservados. Biografia protegida por direitos autorais.

via Defesa do Evangelho

Anúncios

Sobre Blog do Lino
Sou filho de Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: