[Série O Culto no Lar] – Da leitura bíblica à oração


A leitura da Bíblia deve ser o primeiro aspecto do culto familiar. As crianças e os jovens devem ser moldados com esta verdade. Não existe culto completo a Deus sem a presença da Bíblia, aberta e lida. A leitura da Bíblia não deve ser necessariamente feita pelo pai ou pela mãe, eles devem certamente fazê-lo mas dividindo com os outros membros da família. É aconselhável que cada membro da família tenha a sua Bíblia e esteja preparado para a leitura. Pais e mães devem ensinar as crianças como é que podem participar de uma discussão sobre uma passagem lida. Cultuar inclui discutir juntos para que todos aprendam; os pais podem aprender com os filhos, por meio de uma simples pergunta ou um comentário que estes façam. Lembre-se: da boca dos pequeninos é expresso o verdadeiro louvor. As perguntas devem ser encorajadas e devem ser recebidas com atenção e respeito.

Para ensinar crianças, jovens e adultos a praticar o culto, não é necessário que se leia somente a Bíblia, mas esta deve ser a fonte primária. Existem vários livros devocionais que têm sido escritos no intuito de auxiliar o culto. Bíblias infantis podem ser uma fonte muito boa para o culto familiar. Mas nenhum desses recursos deve substituir a leitura da Bíblia.

O culto não será completo se não houver oração. Oração é nossa resposta à voz de Deus. Portanto, nós enfatizamos a importância da leitura da Bíblia. Quando a Bíblia é lida nós ouvimos a Palavra de Deus, nós ouvimos sua voz. Deus, aquele que é digno, deve ter prioridade e somente após a sua Palavra é que devemos dar nossa resposta com palavras de amor, devoção e serviço. As orações devem, de uma forma reverente, expressar nossas necessidades, preocupações e esperanças. No culto familiar a oração deve ser sempre em voz alta. É verdade que momentos de silêncio podem ser benéficos, mas a oração deve ser audível para que seja uma atividade comunal e que una a família. Todos os membros devem participar. As crianças podem ser encorajadas, pelo ensino de pequenas orações ou mediante a expressão de suas idéias sobre Deus. Nós certamente devemos ensinar as crianças a dizerem “Deus, eu o amo, Jesus eu o amo, obrigado Espírito Santo”, assim como as ensinamos a dizer “Papai, eu o amo, mamãe, eu a amo”.

A oração deve sempre expressar amor e adoração a Deus. As Escrituras nos dizem que ele é digno de louvor, que ele é grandioso e maravilhoso e que muito tem feito por nós. Por ser amor, ele providenciou Jesus para que soubéssemos que temos um redentor e rei exaltado que está à direita do Pai.

A oração deve expressar, com clareza, nosso arrependimento e nossa tristeza pelos nossos pecados. Seria bom incluir arrependimento em nossas orações em voz alta. É importante que o pai ouça a mãe e as crianças dizerem “perdoa-me Senhor, pois eu pequei”. Mas, mais importante, é que a mãe, esposa e crianças ouçam o pai dizer isso com humildade, pesarosamente e com remorso. Dessa forma ensinamos as crianças a dizerem “perdoa-me Senhor, e tire o meu pecado”. Devemos também ensiná-las da certeza de que nossos pecados são perdoados. Lembre-se dos últimos versos de Miquéias: “Deus esquece o pecado e lança nossos pecados nas profundezas do mar”.

A oração deve incluir um tom vibrante de agradecimento. Minha esposa e eu crescemos em lares onde nossos pais faziam a maioria das orações audíveis. Eu ainda me lembro de quando menino ouvir meu pai orar em holandês.

Ele sempre começava sua oração dirigindo-se a Deus “o mais digno e aquele que merece nossa gratidão e culto. Senhor glorioso, soberano, é tão bom saber que és nosso Deus”. Em seguida havia a confissão de pecados seguida da adoração. As orações que nos foram ensinadas eram cheias de agradecimentos vibrantes, bem como do reconhecimento das boas coisas que tínhamos. Havia expressões de amor e devoção a Deus seguidas de expressões de tristeza pelo pecado e a necessidade de perdão. Isso tudo levava a um agradecimento efusivo. Nós devemos nos lembrar que o agradecimento é vital. Nós lemos em Lucas 17 sobre os dez leprosos que Jesus curou. Todos pediram para serem curados. Todos foram mandados ao sacerdote. Mas somente um deles voltou para agradecer. Ele glorificou a Jesus. Quando agradecemos a Deus nós o glorificamos. Glorificar a Deus é dizer novamente “tu és o Deus mais maravilhoso, majestoso, esplêndido, amoroso e bondoso”.

Essa série é extraída do livro A Família da Aliança, de Harriet e Gerard Van Groningen, da Editora Cultura Cristã.

Para mais artigos dessa série, clique AQUI

Anúncios

Sobre Blog do Lino
Sou filho de Deus.

2 Responses to [Série O Culto no Lar] – Da leitura bíblica à oração

  1. iêda castro says:

    Tiago, maravilhosa essa ideia de colocar essa serie. Muito podemos aprender e fortalecer nossa fé junto aos nossos filhos no momento de um culto. São momentos prazerosos e que devem fazer parte da nossa vida em família.

  2. Blog do Lino says:

    É verdade iêda.
    Eu fui criado assim, embora meio que na brincadeira, pois quem “fazia” os cultos éramos eu e minha irmã, tendo minha mãe como participante, o contrário da proposta da séria. Mas tudo bem. Todos estávamos nos primeiros passos ainda, risos.

    Mas, sem dúvida, toda a família que pratica esse exercício é abençoadíssima.

    Graça e paz para você minha irmã!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: