Fé e Razão – Por David Martyn Lloyd Jones


Na vida cristã não há nada mais importante do que saber raciocinar, argüir e deduzir do ensino escriturístico. Isso constitui uma parte essencial e vital da fé. Que é fé? Fé é, em primeira instância, uma atividade, especialmente uma atividade da mente. É aí que tendemos a errar. Temos tanta preocupação em contrastar a fé com a razão que caímos em erro. Dizemos corretamente que ninguém jamais pode fazer-se cristão por meio do seu entendimento. E então dizemos: “Logo, a fé nada tem a ver com a razão”. Nesse ponto erramos. É muito importante estarmos certos quanto à relação entre fé e razão. Isaac Watts, num conhecido dístico, diz:

Onde falha a razão, com seus poderes todos, 
Lá a fé prevalece, e o amor adora a Deus.

É claro, Isaac Watts está certo. Nestes versos ele está pensando em nosso ingresso na vida cristã e no que se pode dizer sem mentir, mesmo da vida cristã, quando somos tentados e caímos, recorremos de novo à razão “natural”, em lugar da razão da fé. Na “vida de fé” a razão e o argumento um papel de vital importância. Mas não se trata da velha espécie de razão e de argumento; é o exercício do raciocínio com fé, o raciocínio que vem da fé, o raciocínio para a fé. “A fé”, diz-nos a palavra, “é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem” (Hebreus 11:1). Significa que temos certas declarações e que deduzimos outras coisas delas. Há toda diferença do mundo entre confiar somente na razão, em detrimento da fé, e a fé que raciocina e argumenta, fé que o apóstolo está acionando nesta seção.

Entretanto, deixem que mencione outro perigo, o perigo de ficarmos demasiado confiantes em nossos sentimentos. A fé leva aos sentimentos e os inclui, porém os sentimentos não vêm em primeiro lugar. O primeiro elemento da fé é intelectual; o emocional segue-se a ele. Como diz uma frase de um salmo: “Provai, e vede que o Senhor é bom” (Salmo 34:8). Você só pode ver depois de ter provado. Devemos entender claramente qual é a posição que os sentimentos ocupam. Não devemos confiar demais neles, nem tampouco os devemos excluir. A fé é como andar numa faca de dois gumes; se você for longe demais dos dois lados, terá problemas.

Então, que é fé? Fé realmente significar crer em Deus, fé em tudo o que ele diz sobre o que Ele fez por nós.

Fonte: Monergismo

 Mais textos de Martyn Lloyd Jones AQUI


Anúncios

Sobre Blog do Lino
Sou filho de Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: