O dia das bruxas está chegando!


Já estamos a beira de mais um 31 de Outubro. Que tem isso demais? Para muitas pessoas o 31 de Outrubro é apenas um dia para brincar de bruxo, vampiro e outros seres mitológicos. Até mesmo muitos cristãos já se entregaram as seduções do Halloween. Temos, os cristãos, algo de muito mais valor para comemorar nesta data? Sim! E não tem nada haver com trevas, mas com luz, a Luz do Evangelho.
Evidentemente estou falando do Dia da Reforma Protestante. Resumidamente, a Reforma Protestante desencadeou-se com Martinho Lutero, um monge agostiniano. Difícilmente poderíamos apontá-lo como sendo o primeiro reformador da História, nem o mais capacitado, mas foi seu nome que Deus escolheu para gravar na História. Afim de compreendermos melhor o contexto é bom citar outro nome, o de João Tetzel, também monge. Este dedicava-se a pregar e vender indulgências, como se estas pudessem, por um bocado de dinheiro, garantir o perdão de Deus. Lutero, que aquela altura já começava a descobrir algo da Simplicidade do Evangelho, levantou-se contra tal comércio; e, ao contrário do que muita gente pensa, fez questão de inocentar o Papa de tais crimes. No entanto, mesmo que suas famosas 95 Teses não tivessem a intenção de combater ou renunciar a Igreja de Roma, o Vaticano percebeu nelas princípios teológicos que ameaçavam revolucionar as estruturas da religião ocidental, e o embate com Lutero tornaria-se um verdadeira guerra teológica e política.  
Boa parte da Igreja moderna desconhece os princípios teológicos que motivaram e alicerçaram os heróis da Reforma. De fato, apesar de cada cristão evangélico de nosso tempo bater no peito para dizer-se herdeiro de Witemberg, são poucos os que fazem justiça a herança reformada. Alguém disse que um povo sem história é um povo sem identidade, e isso é muito exato como descrição da Igreja Evangélica do nosso tempo. Desconheçemos nossa história, desconhecemos nossa própria identidade. Estou exagerando?
A principal característica da espiritualidade reformada estava em focar-se na Total Soberania de Deus. O Deus crido pelos Reformados era radicalmente diferente do Deus “evangélico neopentecostal”. Atualmente, Deus foi transformado num ajudante, um quebra-galho, sempre a disposição das orações e mandigas evangélicas. O Deus dos Reformados não podia ser manipulado, em hipostese alguma, em assunto algum – nem mesmo quando o tema era a salvação dos pecadores. Deus é Deus, e o homem é apenas isso: mero homem; e se recebemos ou não algo de Deus, é por sua Livre Vontade, e não porque fomos eficientes em manipulá-lo a nosso favor. “Porque quem compreendeu a mente do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!” (Romanos 11. 34-36).
A Soberania de Deus era tema tão valioso para a Reforma, que muitos dos inimigos da fé evangélica tentavam se valer disso contra ela. Consta que famoso apologista católico, Erasmo, provocou Lutero dizendo: “Deixe Deus ser bom!”. A tal provocação Lutero respondeu simplesmente: “Deixem Deus ser Deus!”. Não que os Reformadores negassem que Deus é bom; negavam que o homem tivesse capacidade para julgar a bondade de Deus. Afirmavam que Deus é bom sendo sua vontade para nós qual for. Quem é o homem para julgar o Criador? Lutero, e os Reformadores, recusavam-se a aceitar que “A Majestade, que é o criador de todas as coisas, tivesse de curvar-se diante de uma das escórias de sua criação!”.
Se os heróis da Reforma vivessem hoje não veriam Deus em nossas orações, mandigas e campanhas no monte, ou nas fogueiras santas de cada sexta-feira. Eles veriam um ídolo. Um ídolo a ser combatido e extirpado do coração da cristandade.
Mas isso não é tudo. Além de enfatizar a Soberania absoluta de Deus, a espiritualidade reformada apegava-se a gratuídade absoluta do favor divino. Afinal, se a Graça não é por Graça, já não pode ser chamada de Graça. Observem que a Graça pregada nos dias da Reforma não é a mesma Graça anuciada pela maioria dos nossos tele-pastores. Você quer ser salvo? Não esqueça das listas de “faça e não faça” do Missionário David Miranda, ou dos Assembleianossauros que insistem em não entrar para a lista dos animais extintos! Você quer ser abençoado? Não esqueça de fazer um sacríficio, seja na Igreja do Bispo, da Bispa, ou do Apóstolo. Escolha seu guru e faça seu sacríficio. Porém, caso o termo “sacrifício” seja muito pesado, e faça reviver o antigo apologista que existia em sua alma, substitua-a por um termo mais piedoso… Talvez alguém lhe sugira algo como “semente”.
Admitamos: o coração da religiosidade evangélica dos nossos dias é o mérito, as boas obras. Fomos enganados. Acreditamos que podemos negociar com Deus, ou que podemos fazer algo para merecer algo do Soberano de toda a terra. Nos iludimos pensando que se seguirmos certas regras de conduta, ou se contribuirmos o suficiente com nossos bens, seremos salvos e abençoados. Não é que buscamos a santificação, mas que a buscamos como um meio de barganhar com Deus. Não queremos ser santos porque Deus é santo, mas porque temos medo de alguma consequencia desagradável. Não é que sejamos realmente liberais para a Obra, mas que ofertamos como se o cristianismo fosse um título de capitalização, e Jesus o Silvio Santos dos ‘crentes’! Alguém soprou em nossos ouvidos aquele verso diábolico que diz: “Deus ajuda a quem se ajuda”, e nós acreditamos. Precisamos, urgentemente, reacender a chama do favor gratuíto de Deus, como nos dias da Reforma. Mas se é por Graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a Graça já não é Graça! Se, porém, é pelas obras, já não é mais Graça; de outra maneira a obra já não é obra” (Romanos 11.6).
Temos ainda um terceiro ponto fundamental. Sola Scriptura não é apenas um termo em latin que soa robusto e atraente aos ouvidos, mas um lema de fé divisor de águas. E não é certo que cada evangélico que conhecemos faz questão de acusar os católicos romanos de seguirem “doutrinas anti-biblicas”? É certo que pensamos assim. Todavia, temos agido diferente, ou somos culpados do mesmo erro? Será que já tiramos a trave dos nossos olhos?
Os evangélicos abraçaram uma religião pragmática, que busca resultados, e apega-se a números. Não se importam com a exatidão doutrinária do pregador “A” ou “B”, mas com os resultados que ele aparentemente consegue produzir. Esquecem-se de que Deus falou, inclusive, pelas cordas vocais de um Jumento; ou que os mensageiros do Hades também são capazes de milagres, ou de disfarçarem-se de mensageiros de luz. Se um pregador produz sinais, lhes faz chorar, ou se sentir bem, o resto não importa muito, se que é importa.
Com todo respeito, boa parte dos evangélicos de nossa era é hipócrita, incluindo igrejas inteiras e seus pastores. Em nossas confissões de fé, afirmamos ser a Bíblia Sagrada nossa regra de fé máxima e infalível. Mas, vivemos de acordo com tal princípio? Não é verdade que nossos pastores guiam-se muito mais por regras de mercado, estratégias de marketing e novas tendencias em entretenimento? Se um pastor deseja um “grande evento”, não se preocupa mais com o conteúdo da mensagem pregada, simplesmente pega o telefone e liga para o tele-pregador mais em alta no momento – não sem antes descobrir onde está a chave do cofre, claro. Também não lhe parece muito produtivo preocupar-se com o conteúdo doutrinário das músicas do grupo de louvor, muito melhor é deixar a congregação contente e a vontade; até porque a concorrência é forte e quase sempre desleal.
As vezes tenho a impressão de que os evangélicos acham que termos como “evangélico”, “gospel”, “pastor” ou “levita” são o suficiente para dar legitimidade a alguma coisa. Se alguém usa algum de tais atributos, tudo se autentica sem maiores questionamentos. Eles cometem o erro de julgar o livro pela capa, sem avaliar o conteúdo. No entanto, sejamos evangelicos, pastores ou ministros de louvor, o fato é que sempre seremos assediamos pelo erro, e sempre estaremos sujeitos a ceder. Isso torna a Escritura de importancia fundamental, a fim de julgar-nos todos os dias. “Igreja Reformada sempre se reformando”, era o lema dos Reformadores. Para que isso aconteça, devemos avaliar tudo a luz das Escrituras, incluindo a nós mesmos, nossos projetos e objetivos. Se não fizermos isto, corremos o ricos de estarmos fazendo nossa própria vontade, e imaginarmos que seguimos a vontade de Deus. Calvino falor de modo muito apropriado sobre isto:

De fato, se refletirmos quão acentuada é a tendência da mente humana para esquecer a Deus, quão grande é a inclinação dos homens para com toda espécie de erro e quão pronunciado é o gosto deles para forjar, a cada instante, novas fantasiosas religiões, poderemos perceber como foi necessário a autenticação escrita da doutrina celeste, para que ela não desaparecesse pelo esquecimento, nem se desfizesse pelo erro, nem fosse corrompida pela petulância dos homens.

Deste modo, como está sobejamente demonstrado, Deus providenciou o auxilio de Sua Palavra para todos aqueles aquém quis instruir de maneira eficaz, pois sabia ser insuficiente a impressão de Sua Imagem na estrutura do universo. Portanto, se desejamos, com seriedade, contemplar a Deus de forma genuína, precisamos trilhar a reta vereda indicada na Sua Palavra.

Importa irmos à Palavra na qual, de modo vivo e real, Deus Se apresenta a nós em função de Suas obras, ao mesmo tempo em que essas mesmas obras são apreciadas, não sendo o nosso julgamento corrompido, mas de acordo com a norma da verdade eterna. Se nos desviarmos da Palavra, como ainda há pouco frisei, mesmo que nos esforcemos com grande empenho – pelo fato de a corrida ser fora da pista – jamais conseguiremos atingir a meta. Devemos pensar que o esplendor da face divina, que até mesmo o Apóstolo Paulo reconhece ser inacessível (I Tm.6:16), é para nós um labirinto emaranhado, no qual só podemos entrar se, através dele, formos guiados pelo fio da Palavra. Por isso, é preferível andar mancando, ao longo deste caminho a correr velozmente fora dele! (As Institutas da Religião Cristã; Livro I, Capítulo VI).

Calvino foi profético – não no sentido evangélico de “palavra profética” – , identificando com muita propriedade o problema de estarmos sempe assediados pelo erro. E não só isso. Há também o risco de escolheremos correr por algum atalho, achando que seguir os padrões da Escritura seja algo cansativo, trabalhoso, e pouco produtivo (se avaliarmos pelas regras do mercado). Consegue, o leitor, compreender a necessidade de examinarmos tudo a Luz da Escritura? Se a resposta é positiva, está muito perto de compreender o valor de 31 de Outubro. Quero crer que muitos já o compreenderam plenamente.
O Dia das  Bruxas está chegando. Tenho a impressão de que a cada ano o povo brasileiro assimila mais e melhor o conceito importado dos gringos. Só uma coisa me incomoda mais: perceber que o 31 de Outubro, “Dia das Bruxas”, já é mais brasileiro que o 31 de Outubro, “Dia da Reforma”. E até “Dia das Bruxas Evangélico” já deu as caras por aqui. Será que Lutero, Calvino, e outros irmãos que tanto lutaram pela causa do Cristo, também encontrarão abrigo entre nós?
Por Marcelo Lemos, do blog Olhar Reformado
Anúncios

Sobre Blog do Lino
Sou filho de Deus.

4 Responses to O dia das bruxas está chegando!

  1. flávia endringer says:

    dia 31 de outubro dia do meu batismo!!! eeeeeeeeeeeee parabens pra mim!!! rsrsr
    Data mega importante para todos os cristaos.

  2. Jeovanir Mendonça says:

    Dia 31 de outubro é o aniversário da minha avó!

    Paz a todos!

  3. Iêda de Fátima Silva de Castro says:

    Sempre tive pavor de ver brasileiro importando cultura americana para o nosso país.Sempre achei este comportamento ridículo.O dia das bruxas então, tem o poder de me tirar do prumo. Pensar que “crentes” em Jesus tem participado dessa babaquice me deixa mais indignada ainda. É isso que dá ser ignorante na bíblia. Come-se qualquer comida,interioriza-se qualquer lixo e ainda coloca-se o nome de Cristo no meio da bagunça, se intitulando “crente em Jesus”. Ah! me poupe!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: