Pesquisa revela humanidade atéia no futuro


Um estudo que será publicado neste mês aponta que, quanto mais desenvolvido o país, maior o número de ateus.

Para o autor Nigel Barber, portanto, chegará o dia em que quase todo o mundo vai se declarar sem religião.

A mudança já estaria ocorrendo. A pesquisa, feita em 137 países, mostra que nas economias mais desenvolvidas o número de descrentes é crescente.

Na Suécia, por exemplo, o índice chega a 64% da população, seguida por Dinamarca (48%), França (44%) e Alemanha (42%).

Na outra ponta, países da África sub-saariana têm menos de 1% de ateus.

O autor aponta razões mercadológicas para a baixa das religiões.

Segundo ele, as pessoas procuram as igrejas para se salvar de dificuldades e incertezas da vida.

Hoje profissionais como psicólogos e psiquiatras podem perfeitamente suprir essa lacuna.

F5

Comentário:

A poucos dias, tive uma conversa com um amigo pastor – Marco Antônio – onde abordamos justamente esse assunto. O ponto de partida foi Israel, já que ele está por lá.

Na conversa, perguntei como era a postura dos judeus em relação ao seu passado de promessas e suas perspectivas com relação ao futuro. A resposta é que essas convicções estão restritas às comunidades religiosas, cada vez mais decrescentes devido ao ateísmo e a constante secularizaçao, fenômeno mundial. Por fim, baseado em suas conclusões e experiência, ele diz: “A religião vai desaparecer no futuro”.

Pois é, meus irmãos. Esse é o panorama atual da humanidade. Estamos no fim mesmo, com o esfriamento do amor e da crença em Deus, como Todo-Poderoso. Isso já havia sido predito pelo próprio Jesus. Essa pesquisa que, segundo a reportagem, será divulgada, apenas confirma o que muitos crentes e estudiosos já sabiam.

Oremos por fogo do Espírito para que Ele nos conceda ainda mais ousadia para anunciar o Evangelho àqueles que serãos salvos e clamar pela vinda do Filho de Deus. É nisso que cremos, que damos nossa vida e que aguardamos ansiosamente.

Deus te abençoe!

Tiago Lino

Anúncios

Sobre Blog do Lino
Sou filho de Deus.

43 Responses to Pesquisa revela humanidade atéia no futuro

  1. Zander says:

    Meu amigo, as religiões, todas, são fruto da impotência do ser humano diante da natureza. O homem, através do seu conhecimento, está suprindo essa lacuna, com a ciência e o poder do seu conhecimento, cada vez mais amplo.

    Nas cidades de Tiberíades e Alexandria, duas das maiores da época em que supostamente surgio o mito Jesus, eram habitadas por vários historiadores. Gente que descrevia o diâmetro de um botão de roupa, a receita de uma comida ou a forma de se criarem animais domésticos. Chegavam a essas minúcias. Eles não escreverram uma linha sequer sobre um tal de Jesus. Onde se encontra uma só referência sobre Jesus que não seja na fraude que é a Bíblia? Em nenhum lugar. O Sr. conhece algum livro, fora a Bíblia, que mencione Jesus?

    Em vez de orar pela divulgação do evangelho, ore pelas milhares de crianças que estão morrendo de fome na Somália. Se é que adianta orar. O todo-poderoso “criou” o universo em seis dias e descansou. Está descansando até hoje. Ele não dá manutenção à sua criatura, o universo. Se o Sr. é filho de Deus, não deveria estar pedindo qualquer coisa a ele. Um filho nada pede ao pai. É obrigação do pai prover o filho de todas as suas necessidades. E o que faz o tal pai? Nada! A humanidade vive rezando e ele não aparece para cumprir sua obrigação.

    Acorde, meu amigo. A religião é um delírio.

    • EU até concordo que as religiões são frutos da impotência humana, haja vista tantas com base em experiências místicas e em escritos de homens e quase todas relacionadas a criações de Deus, como Sol, lua, astros. No entanto, o cristianismo é fruto de um plano eterno de Deus e de uma profunda e convicta revelação Sua aos seus eleitos. Estude todas as religiões, meu caro, e verás. Talvez de todas, o cristianismo é a que tinha menos condições de sobreviver, levando-se em consideração que sua sustentação reside em um homem morto e ressurreto, algo louco e escandaloso ao homem.
      Considerar Jesus como mito é uma profunda ignorância aos achados arqueológicos que já atestaram quase que todas as ocorrências, juntamente com lugares e situações descritos nos Evangelhos. Sinceramente, isso para mim é irrelevante, mas para os cientistas, não. “O verbo se fez carne e habitou entre nós e vimos sua glória”. É nisso que creio.

      Sobre Alexandria, concluo novamente que seu conhecimento é superficial. Dentre tantos pais da Igreja, importantes para a consolidação doutrinária e sua sistematização pós-apostólica, destaco a você Clemente de Alexandria, nascido na Grécia em 180. Ele foi conhecido por esse nome porque foi educado e discipulado aos pés de Panteno, talvez o maior sábio de seu tempo, justamente de Alexandria.
      Clemente deu significativas contribuições à fé cristã. “Clemente foi o iniciador arguto e feliz de uma escola que se propunha a defender e aprofundar a Fé com o auxílio da Filosofia.”, disse um dos grandes estudiosos sobre o assunto.

      Além dele, vários homens nesse mesmo contexto estudaram sobre Jesus e sobre a fé cristã baseados nos escritos apostólicos e nos livros tidos como apócrifos, que não compuseram os livros bíblicos. Você acha mesmo que a fé cristã não teve estudiosos e produções literárias além dos descritos na Bíblia?
      Meu caro, a nossa humanidade precisa de urgente arrependimento e um retorno ao seu criador. “Todos pecaram” e o que vemos hoje é conseqüência disso, cuja máxima levou à morte Jesus. Deus não deve nada a ninguém. O que há é uma cegueira generalizada. Guerras, imperialismo, injustiça, violência, genocídios e tantas outras mazelas são frutos disso tudo!

      Não sei se você sabe, mas o desenvolvimento científico é creditado aos protestantes. Estude sobre as principais universidades. A democracia, a separação da Igreja entre o Estado, idem. A sociedade moderna é toda baseada nos princípios cristãos, meu caro. Essa onde de ceticismo é nova, porque no inicio se estudava ciência para entender a Bíblia. Isaac Newton, Blaise Pascal; Galileu. O crescimento cientifico foi predito pela Bíblia! Portanto, ele levará muitos à descrença de um deus pessoal e mantenedor de toda criação não porque isso seja verdade e comprovável, mas porque a humanidade caída não vê Deus em sua própria criação, como homens da antiguidade.

      Você é pecador e está sob juízo de Deus! Mesmo que você não o perceba agora, mas você é responsável por tudo, inclusive sua descrença em Deus nos reconciliando em Cristo. Arrependa-se e clame por salvação e perdão de seus pecados e viva para Deus, pois esse é o propósito de sua existência. ( a “evangelização” é uma resposta à sua tentativa de abandono à fé, risos).

      Zander, obrigado pela sua visita e pelo comentário. Deus te abençoe!

      • Zander says:

        Prezados Tiago e Iêda, boa noite.

        O debate carece de argumentações robustas. Cristãos/constantinos (CC), como os dois, fazem afirmações que consideram universais e consagradas; referem-se a premissas supostamente basilares.Mas não são. Há cogitações ocas, aí.

        Para que sejam idôneos e justos, há que relevar a “outra parte”, que não se resume só a mim, mas à maioria da população do planeta. Segundo a Enciclopédia Britânica, dos cerca de 7 bi de humanos na Terra, “só” cerca de 2,6 bi são CC (35%). Os outros (65%) são budistas, muçulmanos, ateus, judeus, espíritas, hinduístas etc. Destarte, vocês são minoria, seu discurso tem grito débil. Atrevo-me, até, a afirmar que a população CC não chega àquele tanto apregoado pela Enciclopédia. Pois grande parte dos CC o são por se verem na obrigatoriedade social de se dizerem crentes em algo. Não por acaso existe a classificação ridícula “católico praticante” e o “não-praticante”. A cúpula da ICCEBAR (Igreja Católica Concílica Encíclica Bulística Apostólica Romana) tolera e convive com essa hipocrisia porque, além de hipócrita, tem medo de se ver como “um rei nu”: sem fiéis para justificar a sua existência. Se se eliminar a gigantesca população dos CC néscios, restaria uma parcela mínima dos que professam essa fé. A maioria dos CC também o são sem saber no que creem e nem porque creem; não há uma firme convicção e adesão; pois têm o cérebro lavado quando ainda criança, uma covarde violência, na medida em que, crianças indefesas, são chantageadas nas escolas dominicais e nas de catecismo, sob ameaça: ou acredita ou se queimará no fogo eterno; e a chantagem é turbinada pelo terrível ritual do batismo, onde as crianças são marcadas como gado. Essa crueldade devia ser interditada pela sociedade: proibição do batismo e censura para menores de 18 anos.

        CC’s gostam de curtir a figura do Pai, assim, com letra maiúscula. No entanto, seus fundamentos de crença têm tanta contradição que não as percebem. Convivem com elas em plena cegueira. Ora, sou pai de um casal, nove e sete. Se vocês me conhecessem e vissem minhas duas crianças maltrapilhas, desamparadas, na rua, pensariam logo na minha omissão. Então, os CC’s curtem a figura do Pai mas se esquecem do que é um pai. Ser pai é ter responsabilidade intransferível; é pensar “lá na frente” sobre as carências dos filhos. Ser pai é ser magnânimo ao perdoar as travessuras e equívocos dos filhos; é tolerar e conviver com os defeitos dos filhos; é compreender que um filho, assim o é, graças ao burilamento da educação que lhes foi dade pelo próprio pai. E o tal Pai? Tão cruel, tão intolerante que é capaz de lançar um próprio filho ao fogo eterno. Tão perverso que é capaz de dizer: “muitos serão chamados e poucos escolhidos”. Imaginem, minha mãe, sete filhos, dizer para os sete que, deles, só três teriam a sua candura! Que injustiça, não? Os CC’s também gostam de se dizerem “tementes a Deus”. Tementes ao Pai? Meus filhos não são tementes a mim nem têm afeto condicionado por mim ou eu por eles. Meu amor pelos meus filhos e a recíproca é mais puro e leve que o amor do tal Pai. Nenhum deles me tem: só me amam; e sem que eu os ameace!

        Quiçá haja curiosidade na expressão cristão/constantino. É que a sua religião é mal denominada só como cristã. Não fosse a decisão do imperador romano Constantino de impor o cristianismo claudicante no seu império, provavelmente, vocês não existiriam ou teriam uma minoria de pó. Portanto, ergam uma estátua ao grande imperador, consolidador do mito. E por que o cristianismo era “claudicante”? Porque o mito Jesus não veio para nos unir a nós, os humanos. Devem saber que, após a sua suposta morte, conta a lenda que os cristãos se engalfinharam numa luta figadal: a corrente do Jesus, o Cristo; a do Jesus, “só homem sábio”; a do Jesus/Deus, uma só pessoa; a da Trindade; e por aí vai. Desde aquela época, a desunião que se instalou entre os cristãos se mantém tão intensa que já se matavam, embriagados pelo ódio entre si. Daí a importância do imperador. E que vemos hoje? A mesma desunião, centenas de apostasias e dissidências: adventistas, batistas, renascer, universal, pentecostais, espíritas, presbiterianos, metodistas, mórmons, testemunhas de Jeová, igreja nova vida, católicos romanos, católicos ortodoxos, anglicanos, ufa! Listaria mais umas tantas: essas foram só de memória; uma pesquisa basiquinha, de meia hora, me faria escrever toda a noite. Quanta desunião nos trouxe Jesus! Pensem! Por que há tanta dissidência? É simples, o argumento da palavra CC é fajuto, é débil. E justificaria um versículo na Bíblia: “Vim para desunir-vos”. Portanto, Tiago, como não se constrange em afirmar que “o cristianismo é um plano eterno de Deus e de uma profunda e convicta revelação sua aos seus eleitos…”? Que plano eterno é esse que deu no que deu? Que profunda e convicta revelação é essa que causa todo esse quiproquó?

        “É mais fácil acreditar que pensar; por isso há tantos religiosos.” A fé extrai do ser humano a capacidade de pensar. Se pensassem, se fossem racionais, constatariam que a sua provável crença na Santíssima Trindade e em outras tradições têm origem em reuniões de reles seres humanos. Assim se formalizou a existência da Trindade no Concílio de Niceia, reunido por imposição de imperador romano, “um qualquer”; mediante outras reuniões concílicas e de edição de encíclicas e bulas, outros rituais e pormenores se firmaram: infalibilidade papal, assunção de Maria, o texto bíblico etc. E não me venham dizer que isso é agenda só de católico, pois todos vocês, CC, são “farinha do mesmo saco niceno, concílico, encíclico. Há que lembrar que a Reforma Protestante é do séc. XVI, quando a maioria das tradições CC já estava consagrada.

        A Inês me rotula “pecador”. Quem disse isso? De onde tirou tal disparate? Não vê que é ferramenta de manipulação?

        Sou-lhes grato, pelo menos, pela atenção. Tenham um bom fim-de-semana.

        Zander

      • Zander says:

        Caro Tiago, tive de voltar.

        Pois, relendo seu texto, encontrei inúmeras afirmações que pendem de contestações.

        Reitero minha afirmação que é inaceitável que um indivíduo com a repercussão que teve Jesus no mundo ocidental só tenha uma fonte de referência, a Bíblia. Como você sabe, a Bíblia foi escrita por gente que não testemunhou sua suposta passagem. A autoria dos evangelhos é tida por gente dos anos 70 a 100 DC. Portanto, é questionável a autenticidade dos fatos lá narrados.

        Mas a minha principal questão é com a ausência de outras fontes de referência. O sábio a que você se referiu, Clemente de Alexandria, não serve, é descartável. Só o fato de ele ser “pós-apostólico” já depõe contra ele como historiador contemporâneo. Nascer 180 anos depois de Jesus e ser fonte idônea como relator e historiador de fatos é, no mínimo, uma piada. Hum, não sei não, mas o tal Clemente tem os seus méritos como estudioso, mas não tem mais valor que um cientista do séc. XXI que se debruça sobre o mesmo tema.

        O fato de arqueólogos e outros profissionais se fissurarem atrás de uma mísera prova da existência de Jesus, na tentativa de provar o local onde dormiu, comeu etc, já é elemento de suspeita sobre a veracidade dos fatos narrados. A eventualidade de se encontrar Getsânime, o morro do Calvário, Jerusalém, a manjedoura de Belém etc nada significa. Mencionar a existência da cidade de Londres como prova da existência de James Bond não significa a prova da existência do famoso agente secreto só porque ele zanzava por lá. Se conseguir, pense: por que ninguém se fissura para encontrar o exato porto de onde partiram as caravelas do Vasco da Gama? Por que ninguém se fissura para encontrar onde era a ágora onde se reuniam Platão, Aristóteles e seus discípulos? Platão escreveu “A República”. Quando me referi aos historiadores omissos sobre Jesus, há evidências de que não entendeu a minha colocação, pos enganchou-se no tal Clemente, extemporâneo. Conteste-me, mas aponte-me uma reles linha sobre Jesus que não esteja na Bíblia. E veja bem, não adianta listar milhares de estudiosos sobre o tema cristão. O que essa crença necessita, realmente, não é de estudiosos sobre ela (isso só depõe contra). O que ela precisa é de evidências do que se passou em torno do mito Jesus.

        Como a Iêda, você é outro terrorista. Está “inventando” que a humanidade precisa de arrependimento. Arrepender-se de quê? Todos pecaram como? Ninguém pediu para vir ao mundo, meu caro. Se existe um criador disso tudo e o mundo está uma bagunça, o problema é do criador! Se você vier à minha casa e encontrar crianças sujas de fezes, urinando pelos cantos, comendo comida em cochos, sujeira para todo os lados, gente brigando, a que você questionaria? Ao responsável, eu, certo? E então, cobre do criador, do manda-chuva, do todo-poderoso, ele que arrume a bagunça que permitiu existir!

        Vocês são muito contraditórios. “Inventam” e dão corda a uma ficção, com seus argumentos e peculiaridades lógicas, a figura do criador, do Pai etc, mas não dão sequência lógica e surgem milhares de contradições.

        Repilo veementemente a sua afirmação de que o papel dos protestantes e religiosos têm a ver com o progresso da humanidade. Ao contrário, a fé, todas, são, na verdade, elemento castrador e obstáculo. O que separou a igreja do estado e alavancou o progresso com a democracia foi o Iluminismo, o Direito Romano, os eventos contemporâneos a Cromwel, na Inglaterra, a Revolução Francesa (consequência iluminista) e a burguesia, para citar alguns. Nunca a religião.

        O que a fé e as religiões produziram foi a guerra dos Cem Anos, a dos Trinta Anos, a das Duas Rosas, as Cruzadas, a Inquisição, a punição a Galileu e seus contemporâneos, a escravidão negra, a dizimação das culturas maia, inca, astecas, tupis, tapuias, guaranis; o racismo do “apharteid” sul-africano (protestantes holandeses), o racismo norte-americano (protestantes presbiterianos), o eterno conflito entre dois povos irmãos, israelenses e árabes e um etcétera gigantesco. A humanidade não necessita de religião.

        Não perca seu tempo em evangelizar-me. Sou oriundo, ainda criança, da Igreja Presbiteriana de Campos e, talvez, tenha aprendido mais na escola dominical, até a minha adolescência, do que você. Já li a Bíblia de cabo a rabo várias vezes. Sou, hoje, apóstata, devido a tanta ignorância, sofrimento, contradição,, hipocrisia e cinismo que permeia no seio das igrejas e religiões.

        Mais uma vez, sou-lhe grato pela sua atenção.

        Zander

  2. Iêda castro says:

    Oi Zander, Acho que o Tiago já te deu uma aula não é? Espero que tenha aprendido mais um pouquinho, pois como diz o velho ditado: Aprender não ocupa espaço!Quanto a sua visão, quero somente fazer um comentário: Você é um miserável pecador e precisa de salvação. Aproveite enquanto ainda está no caminho, pois você não sabe quando este “mito” pedirá a tua alma.

    • Zander says:

      Olá, Iêda.

      Ative-me ao seu texto. Cogito que ele carece de uma resposta específica.

      É notório que é cega, daquela pior, a que não quer ver. Você não consegue enxergar que o conteúdo do que escreve é puro terrorismo. Sou um miserável pecador, preciso de salvação! O nome disso, amiga, é chantagem. Você quer que eu me rotule de “miserável pecador”. Só uma pessoa amarga, com fel nos lábios poderia fazer afirmação tão cinza, tão negra, Isso é uma imagem de filme de terror, em que uma personagem vilã, com aparência horrorosa, tendo uma música incidental adequada, de suspense, ao fundo, diz essas palavras com os dentes rangendo. Ainda que você seja uma pessoa com traços delicados e lindos – e tomara que seja – é-me custoso não ter outro quadro na minha frente que não o da vilã.

      Liberte-se, Iêda, dessa prisão espiritual. Apegue-se ao Iluminismo, ao Humanismo, movimentos descolados desses grilhões.Talvez você não se lembre que o Iluminismo deu início à iniciativa dos seres humanos em começar a por as religiões em seus devidos lugares. “Sapere aude”, ouse saber, ouse pensar, ouse questionar, ouse esclarecer as milhares de contradições que permeiam o seu cérebro lavado.

      Tenha um bom fim-de-semana.

      Zander

      Liberte-se, seja leve, seja doce. O inferno não existe. Não somos pecadores

  3. Iêda castro says:

    *sua

  4. Iêda castro says:

    Oi zander, Você é um miserável pecador, precisa de salvação, assim como eu um dia também fui. Hoje estou na condição de uma pecadora arrependida e alcançada pelo poder transformador e regenerador do evangelho. Não quero entrar em questões intermináveis de se provar ou não a veracidade da bíblia ou de Jesus, mesmo porque, o próprio Deus nunca se preocupou em provar sua existência para quem quer que fosse.Você tem o direito de pensar o que quiser, o próprio Deus te deu esta condição. Poderia aqui usar vários argumentos para te convencer de que Jesus é bom e que a misericórdia dele é infinita, mas não acho que seja conveniente desenvolver tantas questões que acabarão simplesmente em debates. Creio no poder regenerador do evangelho por estar vivendo a cada dia este poder em minha vida e ai de mim se não cresse nele. Quanto ao iluminismo, deixe-o quietinho lá pelo século XVll, sinceramente ele não me tem feito falta. Sobre o humanismo, confesso que estou correndo dele! No mais, espero que tenha um lugar para Jesus um dia dentro de você, e que não seja tarde demais. Espero também que esta amargura que você sente, possa ser preenchida pelo suave aroma de Cristo. Abraços!!!!!!!!!!!!

  5. Zander, a Iêda fui super direta e feliz e também se mostrou sábia ao achar desnecessário o debate que não resultará em nada. Mas eu vou prosseguir, risos. Há questões na sua resposta que precisam ficar claras e respondidas, porque senão soará como uma falha. Mas isso será uma outra hora pois estou envolvido em outros trabalhos no momento. Mas estou lendo e relendo sua resposta, amigo, e responderei cada uma delas, não com o objetivo de te convencer em algo, mas para deixar bem claro que uma idéia do cristianismo baseada naqueles questionamentos é super equivocado.
    Abraços para você e para minha querida amiga Iêda.

  6. Essa sua afirmação de que a bíblia foi escrita por Pessoas que não viram Jesus está completamente equivocada. Nem o mais incrédulo historiador admite isso. Os livros que compõe o Novo Testamento foram escritos por pessoas que viram e conviveram com Cristo, como Pedro, João, Tiago. Paulo foi contemporâneo, mas não discípulo, mas mais tarde teve um encontro com Ele e converteu-se.
    Como seria questionável em 70-100 anos? Então eu posso simplesmente ignorar o que sabemos sobre a 1º Guerra? Lucas, por exemplo que escreve o Evangelho que leva seu nome e o livro de Atos conviveu com Paulo e os discípulos. Você acha realmente isso insuficiente?
    Ah, então quer dizer que os sábios do passado não servem? Então toda astronomia está errada, meu caro. Vários conceitos da atual baseiam-se na do passado. A Terra, por exemplo, como sendo uma parte ínfima da galáxia é uma idéia antiqüíssima. Apenas foi reprimida pela ICAR.
    Bom, essa de vocÊ reprimir veementemente o papel dos protestantes, para mim é fim de papo. Você está completamente equivocado e desconhece a história. Apenas sabe e distorce aquilo que satisfaz tua revolta. Nem prosseguirei. O fato de ter sido criado em uma Igreja não te faz apto a ser uma voz contra a fé. Isso demonstra apenas que não foste capaz de assimilar e de ter um encontro com Jesus. Por quÊ? Porque você para vocÊ admitir sua desgraça é algo que fere teu coração e teu intelecto, justamente o que a bíblia diz que acontece.
    Repito, sua concepção de história está manchada e pervertida pela tendência de procurar falha num Deus pessoal. Lamento, mas você não pode opinar assim. Seja imparcial.

  7. Com relação ao teu primeiro parágrafo da sua contra-resposta, eu o desprezo. Discutir números não significa nada. Se assim o for, os ateus são um bando de ignorantes. O que move é a convicção pessoal. Claro que existem pessoas não totalmente convictas, mas o que você me diria das que são? Ah, deixe-me pensar, você diria, estão erradas. Esse tipo de debate não nos levará a algum lugar. Segundo, as práticas a que você se refere estão restritas à Igreja Católica Apostólica Romana e eu não me darei o trabalho de comentá-las. Estou falando sobre o prostestantismo. Ah, esteja certo de que os verdadeiros salvos – ou os convictos para você, risos – não buscam a Deus por medo de irem para o inferno, mas porque foram poderosamente transformados pelo Espírito Santo e regenerados pela Obra de Cristo. Eles O amam. Você está mesmo propondo a censura? E vai entregar seus filhos a uma era imoral, auto destruidora, às drogas, ao crime? Em que mundo vives?
    Com relação ao seu segundo parágrafo, suas indagações são frutos de seu desconhecimento da Obra salvífica do Pai. Todos seriam destinados ao juízo se o Pai não interviesse e propusesse uma intermediação em Jesus. Aqueles a quem o Pai trouxe de volta por Cristo, esses nunca se perdem! “E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão.” Disse Jesus. Você garantiria a integridade de seus filhos como o Pai garante? Dúvido. Ah, integridade a que me refiro não é a física, ok? Não há amor ao Pai por medo, por o verdadeiro amor lança fora todo medo. Repito, quem o ama, quem foi por ele resgatado o faz por amor.
    No terceiro parágrafo. Você acha mesmo que se tivesse que acabar não acabaria o cristianismo nos seus primeiros 300 anos, sob dura perseguição e repressão? A providência do Pai os fez suportar, amigo. A aprovação de Constantino foi apenas parte do projeto do Pai, algo que excede o seu entendimento. E isso não implicou em nada na subsistência do Cristianismo. Trezentos anos já é algo considerável para a história. A questão a que você se refere é referente a dogmatização da divindade de Cristo. Você quis desqualificar o ato pelas controvérsias? Que racional que tu és? A discussão é algo extremamente saudável para a produção do conhecimento, amigo. Parece que não somos nós os contraditórios. Você está desferindo acusações infundadas e motivas por ódio, apenas. O concílio de Calcedônia foi tão amplo que as outras idéias foram morrendo ao longo dos anos. Todas as corretas divisões a que você se referiu baseia-se apenas em um fato: errada interpretação das Escrituras. Mas desculpe-me, a Igreja não está presa a rótulos. Isso é para você e os religiosos. Sim, o plano de Deus em redimir a humanidade em Cristo é o mais perfeito plano e demonstração de amor e poder do Pai. Não é para todos, pois estaria mentindo se afirmasse isso. Os que foram, de fato, redimidos não estão inclusos na sua sofista lista.
    A fé em Cristo não suprime o conhecimento, meu amigo. Todas as convicções que temos hoje foram de homens extremamente sábios, guiados pelo Pai e que não são do nosso tempo apenas. Mas isso, em si, não significa nada. O que vale é a fonte desse conhecimento. Não sei se você sabe, mas o iluminismo também provocou guerras. O conhecimento produz guerras. Mas, repito, a causa está na humanidade depravada.
    Eu planejei uma resposta mais apologética, mas vi que isso seria perda de tempo, haja visto o nível de desinformação contido nas suas acusações, que tem sempre a mesma motivação: ódio. Eu considero encerrado aqui a discussão e termino reiterando o plano de Deus de redimir a humanidade em Cristo, algo que não depende do seu conhecimento e o Pai nem espera isso de você, que certamente deve atribuir ao caos, algo improvável na ciência, apenas fruto de suposições, sua existência e de tudo o que teus olhos vêem.
    Abraços e obrigado pelos comentários e pela discussão.

  8. Iêda castro says:

    Oi Tiago, na paz? espero ter sido sábia mesmo em não prolongar o debate .Confesso que tive esta preocupação de estar fugindo do assunto por não ter argumentos, mas sei que você fará isso melhor que eu.Sendo assim: A bola é sua!! Um grande abraço amigo!

  9. Iêda, como disse a ele mesmo, percebi que era perda de tempo. Ele está com argumentações tendenciosas. As históricas que são favoráveis ao seu raciocinio, ele usa. As que não, ele omite ou questiona a validade. Sendo assim, também vou questionar a validade dos ateus e forjar uma idéia de que são todos uns ignorantes e deprimidos, algo que me recuso a fazer.

    Como repeti a ele, somos frutos de um amor imensurável de Deus que “é escândalo para o judeu e loucura para os gregos”. A loucura e o escãndalo que arruinará a muitos no dia da visitação do nosso amado Jesus quando todos os poderes forem colocados debaixo de seus pés, nós formos glorificados juntos com Ele e os que o negaram receberem sua devida paga. Mas isso é uma outra história.

    Paz, querida!

  10. Iêda castro says:

    Tiago, por isto mesmo , pelas suas argumentações tendenciosas foi que não prolonguei as considerações, mesmo correndo o risco de parecer fugir do debate. Mas, sempre ganhamos quando ouvimos as orientações do espirito que opera em nós. Você também foi sábio em dar um fim as discussões.

    Quem é mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? É o anticristo esse mesmo que nega o Pai e o filho. 1Jo 2-22

  11. Iêda castro says:

    A boca do tolo é a sua própria destruição, e os seus lábios, um laço para sua alma. Pv 18.7

  12. Estás boa de versículo, hein…rsrs.. é isso ai!

  13. Zander says:

    “É mais fácil acreditar que pensar; por isso há tantos religiosos.”
    “O sofrimento de crianças é a maior prova da inexistência de Deus.”
    “Eles chegaram com a Bíblia e nós tínhamos as terras; hoje eles têm as terras e nós, a Bíblia” Provérbio sul-africano

    Prezados miseráveis pecadores, carentes de salvação, Iêda e Thiago.

    Não sendo pecador nem carente de salvação, “caiu uma ficha” para mim, escrachando que estou desenturmado entre vocês.

    Não há como não concordar em encerrar o debate. Daríamos sequência a uma interminável querela que, embora interessante, tomar-nos-ia tempo e não chegaríamos, realmente, a lugar algum. Ademais, é notório que, como ambos são facilmente manipuláveis e já têm o cérebro lavado, o debate seria deveras estéril. Pois evidenciam acreditar em história de carochinha, contos de fada, crendices. As crendices fazem parte da natureza humana. Só não caem na esparrela os que buscam evidências, os que adotam a postura epistemológica.

    Um aprendizado: num debate, fazer referências a um livro que não é reconhecido pelo interlocutor, é jogar palavras ao vento e, perdão, mas é, uma estupidez. Na próxima, tentem usar uma fonte neutra, pois o próprio livro referenciado, a Bíblia com seus versículos ridículos, também é o mérito do debate. Qualquer manual de dialética informa que o mérito não pode ser usado como respaldo de argumento. Portanto, poderiam citar todo o Pentateuco, todos os profetas e a totalidade do Novo Testamento que, no mister desse debate, para nada serve.

    De qualquer modo, sensibilizei-me com alguma coisa. Numa réstia de debilidade, cheguei a cogitar de dirigir-me à Somália, nas cercanias de Mogadíscio, e, ali, começar a pregar a mensagem cristã/constantina. Diria às esfomeadas mães das cerca de 30 (trinta) mil crianças que morreram de fome que nem tudo está perdido. Que há um transcendente que tudo vê, que tem infinito amor e misericórdia pelos seres humanos, tanto que fará a sua redenção. E que, embora estejam sofrendo tanto, tudo o que estaria ocorrendo “faz parte dos planos de Deus”, o tal transcendente. E que orem, orem, orem e orem, principalmente o Pai Nosso que um belo dia o Senhor ouvirá as suas súplicas. E que, “de vez em sempre”, o atendimento dura anos, séculos para ser feito, como ocorreu com Jó. Ou com o “povo escolhido”, Israel, que ficou “só” 400 anos escravizado pelos egípcios e mais 40 anos vagando sem rumo numa titiquinha que é o Deserto do Sinai. Mas que “tudo está nos planos de Deus”. E que blasfemariam se rotulassem o tal transcendente de cruel e impiedoso.

    Felicidades

  14. Zander, foi bom tê-lo aqui e o debate. Eu faço minhas as suas palavras, no entanto, me refiro a você. Usando o pensamento de Blaise Pascal, considero-me junto com a Iêda e todos os crentes em Jesus os mais vitoriosos. Se não existir céu, inferno e Deus, estamos todos bem. Caso contrário, os que negam a existência de um Criador e mantenedor, responderão em juízos.

    Bom, a primeira opção está fora de cogitação, desnecessário é dizer.

    Paz!

  15. Giovani says:

    Caro Tiago Lino, olhe esta estatística, que interessante: http://www.arrobazona.com/os-paises-ateus-sao-os-mais-pacificos/ Note que quanto mais ateu é um país, menos violência existe nele.. pode analisar também quantas das guerras antigas ou recentes da humanidade estão ligadas de alguma forma às crenças religiosas, quantas mortes por preconceitos etc….
    Fique tranquilo que estamos caminhando para o AMOR PELO PRÓPRIO HOMEM como ele é, não pelo ideal imaginário que ele inventou e nunca alcançará, sempre se frustrando… O mundo está melhorando!

    • Giovani, eu não sei se você percebeu, esses paises são o berço do protestantismo. Dos 9 primeiros, 7 difundiram. Será que essa pacificidade é um evento novo na cultura deles? Bom, eu tenho muitas desconfianças de que isso seja verdade. A pacificidade deles é fruto de séculos. Eles não o são de vinte, trinta ou 50 anos.
      Concordo que eles estão tornando-se ateus, mas atribuir a pacificidade deles ao ateísmo é, no mínimo, uma ignorância histórica.
      Com relação ao mundo melhor, quais são os indicadores que baseiam tua afirmação? Direitos humanos, educação, saúde, consciência ambiental, justiça, economia sustentável, ausência de conflitos étnicos, políticos e até religiosos? Considerando-os, é improvável que se mantenha sua afirmação, penso eu.
      Somos muito humanistas para construir um mundo melhor. A nossa era prega o individualismo, o falso moralismo, a destruição dos valores humanos, o relativismo, a inconsequência. Por quê? Simples, porque estamos construindo nosso próprio abismo longe de Deus, supremo e soberano criador que, através do seu Filho, convida-nos a uma vida com ele, digna e verdadeira.

      Obrigado pela tua visita e teu comentário. Espero ter sido claro.
      Abraço!

  16. Zander Nogueira Martins says:

    Oi, Lino.

    A minha volta está atrelada a equívocos que você escreve. Se Deus existe, e é pai, não são seus filhos que se afastam, é ele, o pai, que está afastado. Ainda mais um pai todo-poderoso, que pode tudo. Essa premissa de que o mundo está pior (não está!) porque o homem se afasta de Deus, é falsa. O pensamento é medieval. É uma falácia admitir que há um pai de quem os filhos se afastam. Se meus dois filhos estiverem afastados de mim, todos os seres humanos, animais racionais, inclusive você, cobrarão de mim: “por que você os deixou longe e sós?”

    Um abraço, Zander

    • Querido Zander, comparar o comportamento pai-filho do homem com o de Deus e o homem é um despropósito enorme. A Bíblia até minimiza o segundo: “E qual de entre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra? E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?”. Isentar a humanidade de seu pretenso orgulho e falsa sensação de autosuficiência e colocá-la toda em Deus é, no mínimo, uma visão de si mesmo completamente distorcida.

      Obrigado pela volta, Zander, risos. Gosto dos seus questionamentos. Eles fortalecem mais ainda minha fé.
      Abraços!

  17. Iêda castro says:

    Oi Zander, muitos que um dia pensaram como você, hoje se rendem aos pés deste Deus e pai que você insiste em dizer que não existe. Talvez por terem chegado a conclusão de que eles são pequenos demais para entender coisas grandes demais. Por mais que se estude, e busque nos meios acadêmicos poder explicar o inexplicável, por mais que se duvide da existência dele, o que mais te irrita é ele não se importar com seus questionamentos e seus ataques constantes sobre a sua pessoa.Deus nunca quis provar sua existência a ninguém.E ele também não se preocupa em provar a você sua existência,ele é a unica pessoa que tem como atributo a auto suficiência. Você querendo ou não ele existe e isso não depende da sua vontade ou do seu consentimento. Ele pode tudo. E age como quer e quando quer e achar que deve. Esta sua revolta e questionamento a respeito da sua existência, só prova que você está pedindo socorro a ele. Você quer desesperadamente que ele exista mesmo e que possa se mostrar a você. Dê lugar. Seja humilde, ele se mostrará.Deus não pode entrar num espaço que já está ocupado pelo orgulho, se esvazie de você mesmo.Ele é a fonte de águas vivas e matará sua sede. Embora não possa entender ainda, ele é o pão que pode matar sua fome. Ele é seu criador, e só depende de você deixar de se sentir órfão. Quero um dia poder te chamar de meu irmão em Cristo e ver você rindo de todas as “bobagens” que um dia deixou escapar a respeito da pessoa dele. Abraços!!!!!!!!!!!!

  18. Zander, me desculpe, mas você está completamente perdido. Cada hora você fala uma coisa, nós o refutamos e você vem com outras conversas. Realmente é difícil entender onde voce quer chegar. Você deu ao trabalho de entender quem são esses pedintes a que Jesus se refere? Ou você acha que a bíblia não precisa ser interpretada. Repito: não baseie a relação de Deus com seus filhos em um pai com os seus.
    Daqui para frente, faço as minhas palavras como a IÊda.
    Abraços

  19. Zander says:

    Lino, não tenho problema em reconhecer equívocos, desde que eles sejam existentes e justos. Sua interlocução não é com um total ignorante nas lidas com a Exegese ou com a Hermenêutica. Como já lhe disse, da minha puerescência até a adolescência, fui alvo de intensa catequese no âmbito presbiteriano.O estudo bíblico na Escola Dominical, nos cultos e nas reuniões de oração faziam parte diuturnamente da minha vida. Afastei-me quando as dúvidas e incertezas que que me povoavam desde a infância, nas centenas de contradições contidas no Velho e no Novo Testamento, se intensificaram à medida que eu adquiria mais e mais conhecimento. Minha formação acadêmica foi, na época do ensino médio, numa escola de vanguarda. Estudei Filosofia e Psicologia básicas. Minha mente se abriu ao conhecer novas formas de contextualizar ideias. Meus pontos de visão das coisas mudaram de lugar. Minha mente se abriu e se libertou dos grilhões que a aprisionavam.

    Uma das teorias da personalidade estudada dá conta de que nós, seres humanos, temos níveis definidos de carência. A qualidade da experiência do ser humano num momento está atrelada ao atendimento dessas carências. A primeira, incontestável, é a carência fisiológica. Como exemplo, ninguém, nem o mais ungido dos fieis, conseguirá progredir um só milímetro numa crise de diarreia, de alergia aguda ou com colapso renal. Antes que nada, isso tem de ser resolvido. Experimente orar diante de seus irmãos de fé com espamos peristálticos reflexos de vômito. Em seguida vem a segurança; depois a fome; depois, outros níveis até chegar ao nirvana.

    Quero explicitar que a invenção do Pai está, sim, atrelada à figura do provedor. Se assim não fosse, o texto mosaico e abraâmico nomearia outra palavra: guru, guia, mestre etc e se resumiria a isso. Mas não, a imagem, o conceito, a definição, o “status” de Pai permeia todo o texto bíblico. Você tenta dirigir essa imagem para outra; ou mantém a de Pai, mas com outras funções porque, restrito ao que, realmente, é, não há como sustentar o que é uma fraude.

    Mas, tudo bem. Vamos descartar a figura de Pai. Atemo-nos ao Criador e, como você já disse, mantenedor. E agora? Fieis têm o hábito de olhar uma flor, um nascer do sol e pensarem: “como é bela a criação divina, perfeita”. Contesto na hora. O Universo é mal feito, há muitas coisas horrorosas, das “tsunamis” aos vendavais. O suposto Criador nos acomodou num planeta grotesco, cheio de placas tectônicas, com um ambiente frágil que não se adapta às nossas necessidades industriais. A água é finita, o petróleo vai se acabar, o buraco de ozônio aumenta a cada dia, a poluição se agrava com a inversão térmica, ufa…! Se não fossem os humanos com a sua ciência e solucionassem esses “pepinos”, a humanidade estaria lascada. Ora, vai construir mal assim lá na China. Tudo bem, projetou e executou mal. Mas e a manutenção? Como já disse, “Deus criou o Universo em seis dias, descansou no sétimo e está descansando até hoje”.

    A realidade, Lino, não permitirá que sobreviva lenda tão frágil como a dos transcendentes.

    Mais uma vez, tenha um bom fim-de-semana.

    Zander

  20. Querido Zander,
    Gostei das suas exposições. Mesmo tendo profundas discordâncias, tenho aprendido com nossas conversa. Eu também tenho minha formação. Sempre fui criado na igreja, no entanto, como qualquer informado sabe, isso não significou minha conversão. Confesso que o “alimento” que recebi era extremamente superficial, muito místico. Quando vejo você criticando essa incapacidade dos religiosos de pensar, eu confesso que não discordo de completo. No entanto, que fique bem claro que isso não é a proposição da fé, muito menos da Bíblia. A ignorância é algo combatido por Deus e ele atribui a ela os males de seu povo em um determinado momento. Se o conhecimento que recebi foi superficial é porque esse era o nível das pessoas e não a condição da doutrina.

    À medida que ia adquirindo conhecimento, ia questionando muitos comportamentos cristãos e via que todos não estavam de acordo com os ensinamentos bíblicos. Esse blog é, também, um apologeta. Alem disso, estou por completar minha formação em Engenharia Eletrônica, que é muito baseada nos fenômenos físicos, que tem como a natureza a fonte e a inspiração de todos os aprendizados. No entanto, isso não me levou à descrença. Pelo contrário, quanto mais observo a natureza, mais convicto fico, com todos os meus conhecimentos científicos, de que há um Criador e mantenedor de tudo. Mas sobre isso, falo mais no final.
    Eu acredito que você tenha tomado caminhos equivocados ao interpretar e avaliar a Bíblia, embora você considere isso como a “libertação” da razão. Eu te respeito. A Bíblia é completa e contém tudo o que precisamos saber para sermos confrontados de nossa miserável condição e necessidade de redenção. Ela não é um manual e código de regras. Muitos menos é uma enciclopédia para explicar a natureza. Não foi com esse propósito que ela foi escrita. Há milhares de questões que acredito na ciência, até porque ela ainda não descobriu nada que pusesse em dúvida a validade da bíblia. O que há muitas vezes, em ambas as partes (ciência e religião), é um equivoco e uma guerra desnecessária.

    A paternidade de Deus é algo tão válido quanto real. A que você atribui neste momento a tua existência? Mesmo não acreditando, ela está atrelada a Ele. Aponte-me qualquer outro “mecanismo” capaz de gerar a vida como ela é disposta em complexidade, diversidade e autonomia. Quando a Bíblia fala desse aspecto de Deus, ela refere-se exclusivamente àqueles que o reconhecem como Senhor. Para estes, Deus, por meio de Jesus e por tudo o que Ele conquistou em sua Obra, revela-se e trabalha de forma soberana, mesmo em derrotas, sofrimentos e até morte, algo que nem alguns segmentos do cristianismo entendem muito bem. Não se pode conceber a idéia de Deus como pai para aqueles que sequer o reconhecem. É como esperar que seu filho reconheça como pai outro que não você mesmo. E para os outros? Por infinita graça, Deus os mantém até que se convertam. Caso contrário, a justiça divina os cobrará. O Sol está disponível tanto para mim, crente, quanto para você, ateu. Isso é, também, um dom de Deus.

    Com relação à criação, por que você citou somente as conseqüências da insustentada atividade humana em seu próprio meio? Por que reduziste o universo a tsunamis, enchente? O que você me diria da imensidão do universo, da sua dinâmica, do seu mistério, tanto aqui no Sistema Solar, ou na Via láctea, ou nos lugares inóspitos? Que energia é essa capaz de gerar infinitos corpos dispersos a trilhões em trilhões de anos luz (multiplica cada ano por mais 9,5 trilhões de quilômetros)? O universo é tão extenso, que as leis físicas que o homem conhece não passam na “primeira esquina” – refiro-me à distância, ao tempo e às condições analisadas. Há traços caóticos sim, mas até isso contribui para a estranha, repito, estranha harmonia em que ele se encontra.

    O que impede um meteoro de destruir a terra, haja visto a imensidão do universo e a infinidade de corpos pairando pelo espaço? Qualquer probabilidadezinha matemática apontaria para contínuos eventos desse aqui na Terra. Deus controla isso!

    Nesse momento estão ocorrendo bilhões de explosões cósmicas, onde apenas uma dessas concentrada em nossa direção, mesmo a bilhões de anos luz seria capaz de fazer o sistema solar virar fumaça. ..E a aparente estabilidade do Sistema solar, no meio de um Universo extremamente dinâmico? Eu nem vou prosseguir sobre a vida aqui na Terra para não estender ainda mais o texto.

    Bom, eu não sei em quantos dias Deus criou o universo, mas sei que até hoje ele o mantém, o sustenta e é devido a ele tudo o que vemos, tudo o que temos e tudo o que somos.

    Em sinceridade, te desejo um bom final de semana! Perdoe-me pelo tamanho da resposta.

  21. Zander says:

    Querido Lino.

    Não se desculpe pelo tamanho da resposta. Vejo-a, até, pequena diante dos desdobramentos possíveis. Mas rotulá-la-ia grandiosa no seu conteúdo. Parabenizo-o pela bela capacidade de engendrar um argumento cheio de emaranhados, embora com uma só fonte, a Bíblia e pela acomodação de várias variáveis num só foco.

    Minha presença, nossa presença no Universo, atribuo-a ao acaso inerente à própria natureza dele mesmo. Todas as energias referidas provêm do “Big Bang”. A presença do Criador é obra puramente humana, com raízes na pequenez do seu conhecimento e nas ideias dos pré-socráticos, pioneiros quando se elucubrava sobre a origem de tudo. Os desequilíbrios momentâneos que redundam num equilíbrio final de forças e energias não é fruto de uma mão divina, é da natureza do Universo, sistema que é.

    Menino ainda, de calças curtas, sentadinho nos bancos dos cultos da Igreja ou das cadeiras da Escola Dominical, precocemente, secretamente, apavorado com tal atrevimento, não conseguia assimilar nem acomodar os episódios que se me apresentavam. O menino não “engulia” o assassinato do Caim, cujo mandante, já deduzia, era Deus; a onisciência, a onipotência e a onipresença de Deus diante de tantos episódios absurdos e exigências estúpidas: como admitir que o ser onisciente quis testar a temência de Abraão? a de Jó? Como admitir a lealdade de Deus a Moisés no episódio dos Dez Mandamentos, se este, ao retornar, encontrou um “pepino grosso”, a adoração do bezerro pelo povo? (Por que Deus reteve Moisés por tanto tempo?). Sodoma e Gomorra foram destruídas devido à má conduta dos seus moradores, mas qual foi a má conduta das crianças? por que não foram poupadas? Que Criador é esse que destrói o que constrói em Sodoma e no Dilúvio? Não sabe criar? É um pentelho? Não é onisciente? Se é, não sabia que teria de destruir o que construísse? Que criatura divina é essa que carece de adoração com rituais bárbaros, de louvor, de temência exigida a ferro e fogo, condicionando o seu amor? Que amor medíocre é esse, pois condicionado? Por que, Criador que é, não tendo nós pedido para nascer, nos brinda com o pecado, nos nomeia miseráveis, e não tem magnanimidade de nos conceder perdão? Por que, onipotente que é, não nos livra, já, da condição de pecador? Pra quê tanta confusão? E a criança, não obstante com seu raciocínio tosco e pobre de vocabulário, pensava, principalmente: isso não é uma chantagem, uma manipulação?

    E a ridícula concessão do livre arbítrio? Deus não sabia que a gente não arbitraria direito? Ora, se questiono o uso que alguém fará do meu carro, com o seu livre arbítrio, não o empresto. Se sei que uma criança não fará bom uso de um isqueiro, não o dou! Estou convencido de que o argumento do livre arbítrio é via manipulada para esquiva da responsabilidade de Deus pelo que teria criado. O livre arbítrio, como explicação para a condição do homem de miserável pecador, impondo-lhe responsabilidade por isso, é pura manipulação que se enquadra na população medieval, em mentes infantis ou limitadas. Certa vez, o psiquiatra Paulo Gaudêncio, questionado por uma mãe sobre se poderia dar total liberdade ao seu filho adolescente, respondeu: senhora, os adolescentes não têm competência para exercer tal liberdade; e, se a der, a responsabilidade por malfeitos será da senhora, não dele. É a mesma situação, Lino, Deus nos teria dado o livre arbítrio, mas não nos deu o discernimento devidamente equipado para exercê-lo.

    Encerro aqui, subitamente. Cansei-me, dada a hora. Há muito que escrever. Mas o escrito é uma pontinha de uma arquitetura bem maior de colocações, de exposição dos contraditórios do que afirmo que é uma frágil estrutura, a das crenças.

    Mas veja, não passei do Velho Testamento. Jó à parte, ainda estamos no Pentateuco. Se for esmiuçar o pensamento daquela criança pelos livros até o Apocalipse, não faria outra coisa no fim-de-semana.

    Mais uma vez, tenha um bom fim-de-semana.

    Zander

  22. Iêda castro says:

    Ainda que você moa o insensato como trigo no pilão, a insensatez não se afastará dele. PV 27.22

  23. Querido Zander,

    Com relação aos seus dois primeiros parágrafos, eles não passariam nem mesmo sob o crivo da ciência. Um dos maiores dogmas dela, e isso é perfeitamente notório na natureza criada, é que a energia não se cria, muito menos se perde. Ela se transforma. Sendo assim, como essa energia foi criada no Big Bang? Onde ela estava e porque somente ali se manifestou? Portanto, dizer que a energia estava retida no Big Bang é contradizer, talvez, a maior lei natural que o homem conhece.

    O pentateuco relata os primórdios do plano eterno de Deus de congregar em si os seus eleitos por meio de Jesus. Nele estão contidos todos os feitos de Deus para cumprir este propósito que, ali, tinha como objetivo formar uma nação. No entanto, se você ler atentamente o livro de Gênesis, não era bem esse o plano máximo. Ele estava em Cristo, fonte da verdadeira redenção. Sem desvios, ele relata a tentativa de um Deus santo em relacionamento com homens caídos. Por isso vês tantos “dramas”.

    Com relação às crianças e da criação que você mencinou, há várias formas de ver isso. Ou pelo governo terreno e humano de Deus, que prevalecia naquele tempo, ou pela sua justiça. Aí eu incluo a questão do livre arbitrio. O que é justiça? É dar o que se merece, certo? Um juíz que não concede a sentença que um criminoso merece está sendo injusto. Isto posto, o que vemos ao longo da história os juízos e a principal, isto é, o homem morto em seus delitos e afastado de Deus, é a demonstração da justiça de Deus, uma vez que este mesmo homem rejeita, por sua condiçao, voltar-se a Deus. Você pode argumentar o que quiser, menos acusar o Senhor de injusto. O livre arbítrio é uma falácia se olhamos para os eventos bíblicos e até para a nossa “realidade”, haja visto que ninguém escolhe nascer e onde nascer. E o pior: o homem não pode mudar sua condição sem que Deus intervenha. Isso, por si só, elimina a questão do livre arbitrio.

    isso parece louco? Eu respondo com este versículo: “Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú. Que diremos pois? que há injustiça da parte de Deus? De maneira nenhuma. Pois diz a Moisés: Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia. Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece. Porque diz a Escritura a Faraó: Para isto mesmo te levantei; para em ti mostrar o meu poder, e para que o meu nome seja anunciado em toda a terra. Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer. Dir-me-ás então: Por que se queixa ele ainda? Porquanto, quem tem resistido à sua vontade? Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?”

    Como se vê, zander, estes teus questionamentos, que já foram os meus, são perfeitamente esclarecidos à luz da Bíblia.

    Te desejo um bom descanso neste final de semana e, se quiseres, segunda-feira esou por aqui, risos.

  24. Iêda castro says:

    Se com a tua boca, confessares ao Senhor Jesus e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça e com a boca se faz confissão para a salvação. Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido.Porquanto não há diferença entre judeu e grego, porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam.Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Rm 10. 9-13

  25. Zander says:

    Oi, Lino.

    Não respondo à Iêda porque ela evidencia que não pensa. Como a maioria dos religiosos, se resume a ser uma repetidora de versículos bíblicos. E acha que isso basta como fundamento de dialética. Ainda não entendeu que em nada resulta alocar texto bíblico em direção a quem está convencido de que a Bíblia é uma mitologia. É como se eu argumentasse com ela com frases ditas por Hércules, por Apolo, por Thor…

    Você me decepcionou como estudante de Engenharia Elétrica. Tem a obrigação de conhecer as teorias de Georges Lamaître, reforçadas pelas ideias científicas dos cientistas Fred Hoyle Edwin Hubble, George Gamow e a Lei de Hubble-Homanson. Estes, que deveriam ser seus “colegas”, face à mesma área em que atuam, a ciência, é que ditaram que o Universo tem cerca de 14 bilhões de anos. Sua teoria do Big Bang localiza a tal energia que você me pede para plotar num “átomo primordial” ou “ovo cósmico”. Nesse ponto se encontrava uma concentração infinita de energia comprimida e densidade, também infinita. Do “átomo primordial” é que surgiu essa maravilha que você descreve com a dimensão do ano-luz. Não me conteste, conteste os cientistas, não sou o inventor da teoria do Big Bang. Se o suposto Criador tivesse criado o Universo, atendo-se ao texto mitológico bíblico, teríamos um Universo de cerca de 4 mil anos. Como pode você, da ciência exata, conviver com o paradoxo 14 bilhões/4 mil anos?

    Você deve conhecer, mas se esqueceu que a Terra já foi, sim, alvo de colisões com meteoros. Cegueira religiosa. Equivoca-se ao afirmar que o Criador previu não-colisão de meteoros. È mais um delírio. Os grandes répteis que aqui viviam foram destruídos por uma colisão de meteoro com o nosso planeta. É como a ciência explica o súbito desaparecimento daquelas criaturas da Terra. E nada nos livra de uma colisão futura.

    Na nossa conversa, quando critico a tremenda imperfeição que é o Universo quanto à sua hostilidade para com o ser humano, não posso me ater sobre o que ocorre na Exosfera. Ora, Lino, moramos aqui na Terra. O que perturba as nossas vidas e causa o sofrimento de milhares de seres humanos, PRINCIPALMENTE CRIANÇAS, são os vendavais, as “tsunamis”, os terremotos, as inversões térmicas, tudo isso que você se furta a explicar. Para quê vou pensar no que não nos afeta, a trilhões de anos-luz? o que tem a ver isso conosco? Você se esquivou da pergunta irrespondível (aliás, há várias das quais se esquiva; há uma tripa enorme de questões colocadas que não foram respondidas). O Criador teria criado para a nossa habitação um planeta hostil, limitado, pouco operativo, grotesco, precário, que não suporta mais de 8 bi de pessoas (e já estamos em 7 bi). Olha que estupidez! O Criador nos deu a fertilidade, nos disse a frase “crescei e multiplicai-vos” e tudo isso num planetinha de tamanho ínfimo. Como sua onisciência não previu que poderíamos ser 10, 20 bi de gente? Se não fosse o ser humano com a sua ciência do controle da natalidade, estaríamos há muito tempo numa enorme e gigantesca arapuca.

    Tenho muita admiração pelo ser humano. Pela sua genialidade em criar saídas para a arapuca em que o Criador nos teria metido.

    Uma abraço,

    Zander

  26. Iêda castro says:

    Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até divisão da alma, e do espírito, das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. Hb 4.12

    • Zander says:

      Iêda, bom dia!

      A palavra de Deus é tão viva, tão eficaz, tão penetrante que qualquer espada de dois gumes que ainda não penetrou na alma de cerca de 4 bilhões de seres humanos que habitam o planeta. Cristãos são minoria na Terra, já lhe disse, lembra-se?

      Não penetrou na alma dos nossos congressistas, a maioria cristãos e, por isso mesmo, se configura como o maior antro de ratazanas corruptas. A bancada suprapartidária evangélica do nosso Congresso é gigantesca. Nessa bancada hipócrita aquela gente brande com a suas bocas nojentas versículos bíblicos, todos os dias, onde se inseriria “tão viva, tão…”, e qual o resultado? A maioria é cristã, mas carece de discernimento, de escrúpulo, de pudores ético, valores que você encontra, mais facilmente entre os hereges, os ditos ímpios, os ateus.

      Nem religião, nem crença, nem fé são critérios para a formação de bom caráter. Ao contrário, é nos de fé, nos de crença e nos religiosos que encontramos os exemplos mais contundentes de hipocrisia e cinismo. Portanto, o que você faz, inocente útil, ingênua, é jogar palavras ao vento, que para nada servem.

      È triste, desolador, mas é a realidade.

      Meus respeitos, com um abraço.

  27. Por que te decepcionei se sempre estudei os cientistas que contribuíram para a eletricidade? Volt, Maxwell, Hertz, Tesla, Tanenbaum, Dorf e tantos outros sem os quais não seria capaz de fazer o curso. Esses que você citou desconheço e, se são importantes para o meu curso, eu não percebi ainda. Bom, pode Ser que meus professores-doutores estejam errado….

    Sua colocação sobre a concentração de energia está completamente de acordo com a teoria e em nada contradiz a tese criacionista. No entanto, pelo teu desconhecimento cientifico nessa área, algo teve que acionar esse átomo, ou seja o que for. Repito, nada se cria. Só para te situar, uma das teorias físicas, chamada de conservação da quantidade de movimento, diz que o universo inteiro é um sistema fechado. Isto significa que ele jamais seria capaz, por si mesmo, de desencadear tamanha explosão energética sem a menor excitação externa. Se isso não é verdade, toda a compreensão humana do surgimento do universo cai por terra. Idem em relação à energia molecular. Toda a teoria térmica e de interação das partículas está fundamentada na tese de que não existe o zero grau absoluto – isto é, não existe nenhuma partícula do universo que esteja estática. Essa segunda eu referenciei apenas como fundamento e nada ter a ver com nossa discussão. Repito, o universo, como o conhecemos, não seria capaz, por si só, de fornecer-se energia para tal explosão. Isso vai contra todos os princípios científicos relacionados à energia. Algo externo desencadeou isso e não foi um evento caótico, foi intencional e com claro propósito: a criação.

    Com relação aos meteoros, eu quis dizer que, devido ao tamanho do universo e da localização do sistema solar, qualquer previsão probabilística apontaria freqüentes e constantes colisões, o que não acontece. Sim, já caiu meteoros e parece-me que eles, sim, destruíram os dinossauros, mas há quanto tempo não temos um evento desse que, talvez, inviabilizasse a vida na Terra? Repito, Deus controla isso.

    Sinceramente, eu não consigo ver o planeta tão hostil. Isso apenas afeta ao ser humano, que sempre o tratou como um objeto e nunca o respeitou. Aos animais ele sempre foi perfeito e sempre contribuiu para a manutenção da vida, como faz conosco, mesmo com as catástrofes, como se fossem meios populacionais de controle de natalidade. A questão é que nós sempre o usamos irresponsavelmente e o que você citou é conseqüência disso.

    Com relação aos 4 mil anos, o que você reproduziu é apenas uma afirmação ignorante aos relatos bíblicos, algo que você recebeu e, apenas, está reproduzindo. Não há nenhuma evidência de que a Bíblia diz que o universo foi criado há 4 mil anos. Ela relata a vida humana desde esse período. Em relação aos “dias” da criação, está fora de discussão que, ali, eles não representam os nossos dias de 24h. São eras. Há teses, que eu aceito, de que essas eras representem cada fase geológica da terra, começando pela sua formação até a possibilidade de vida aqui. Repito, isso em nada fere o criacionismo.

    Abraços, Zander. Tenha uma boa semana.

    • Zander says:

      Meu amigo (já o considero amigo: a quantidade de consideração é enorme).

      É claro que tenho assumido que você desfruta da intimidade dos cientistas da eletricidade. A decepção é pelo fato de que uma pessoa com cultura geral regular, que lê os periódicos brasileiros, já teria no seu cabedal de informações os nomes dos cientistas comprometidos com a Teoria do Big Bang. Meu filho de 9 anos já conhece tal teoria e sabe discorrer sobre ela. Aprendeu-a no canal pago Discovery, com a minha assistência.

      Cometi um equívoco grave. A contradição acerca dos 4 mil anos bíblicos NÃO É com respeito à origem do Universo, que, de acordo com os princípios atuais aceitos, é de 14 bi de anos. O contraditório bíblico, à luz da ciência, é que, pelo texto mosaico o ser humano só teria 4 mil anos no planeta. Diz a ciência que não é. Pois os estudos dos fósseis mais marcantes, a biologia molecular associada a várias técnicas, incluindo aí, a do carbono 14, dão conta de que o homem como somos apareceu na África há cerca de 200.000 anos.

      A Hermenêutica cristã, comprometida em “comprovar” hipóteses não-científicas, “força a barra” em suas interpretações. Uma delas é o que você faz: identificar “eras” em períodos de tempo para justificar a idoneidade da mitologia bíblica. Qual a fonte? Qual a base da afirmação? Há muita leviandade na interpretação cristã. O texto bíblico faz muitas afirmações inconsistentes. Uma prova disso é o versículo postado pela Iêda. Prove, os dois, que “a palavra de Deus é penetrante…” Deem um exemplo. Teria havido a necessidade de 7 pragas sobre o Egito para convencer o faraó a libertar o “povo escolhido”. Ora, se a palavra é tão penetrante, para quê sete pragas? E que eficiência, hein? Haja paciência do “povo escolhido” para esperar a tal eficiência. E olhe que já estavam havia 400 anos na bela condição de escravos!

      Como afirma que os animais não sofrem? Já assistiu a um documentário sobre o sufoco pelo qual passam os animais, todos, quando irrompe um incêndio em seus “habitats”? Você não sabe a besteira que disse. Ratifico o que afirmei. Deus nos teria colocado numa arapuca ao nos dar o poder de procriar, estando nós numa titiquinha de planeta, que não suporta, já os 7 bi de gente. Tínhamos de estar num Júpiter da vida, não aqui. É muita falta de planejamento, meu caro, o “plano de Deus” é fajuto. E olhe que teria a onisciência. Eu faria muito melhor. E, não, qualquer humanozinho.

      Abraço fraterno.

      Zander

    • Zander says:

      Meu amigo.

      Deixei um ponto sem abordagem. O quê deu início ao Big Bang? A ciência AINDA não sabe, pelo menos ao que sei, até agora. Como já afirmei, o ser humano, ao longo da sua existência, com o auxílio da ciência, vem preenchendo as lacunas do seu conhecimento acerca da natureza. A sua existência, como estudante de Elétrica, é um exemplo. Imaginaria engenheiros elétricos conversando com Platão? O domínio dos fenômenos da eletricidade é emblemático. O deus trovão desapareceu quando a ciência esmiuçou os intestinos dos “cumulus nimbus”. Chegaremos lá. O telescópio Hubble já está obsoleto para as carências científicas atuais. Em 2013, estaremos equipados com um novo, o Weber, em órbita dez vezes mais distante que o Hubble. Avizinha-se uma revolução no conhecimento humano sobre a cosmologia, principalmente sobre a verdade sobre a origem do Universo. Aguarde, haverá um dia em que o texto bíblico será só mais um livro qualquer em uma biblioteca. O destino da Bíblia é ser apenas uma curiosidade que afetou a Humanidade, quando convivia com muita ignorância.

      Abraço fraterno.

      Zander

  28. Iêda castro says:

    Oi amigo, na paz? espero que tenha uma boa semana.Bons estudos e bom trabalho no espiritual e material. Que possa colher bons frutos!!! Abraços!!

  29. Obrigado, minha irmã. Seus comentários e visita aqui são muito prezados pelo autor deste blog. Desejo a você também uma semana abençoada, restauradora e edificante em todas as áreas da sua vida! Paz!

  30. Iêda castro says:

    Obrigada pelas palavras. Deus continue te abençoando! paz1

  31. Obrigado pela estima, amigo (é recíproca).

    Com relação a provar, isso é muito questionável para ciência, já que a base dela são suposições. Dois mais dois é quatro admitindo-se que essa é a modelagem seguida pelo contador, isso em números decimais. Em números binários, você teria de refazer essas considerações para dois mais dois serem novamente quatro.

    Também ratifico. A criação é uma obra prima do criador, onde somente ele em poder, grandeza e soberania poderia fazer. Nem a ciência ou qualquer outro sistema idealizado pelo homem seria capaz disso. O que você entende como “erros de projetos” é a própria conseqüência da queda do homem. Tudo foi transformado. No entanto, isso será resolvido em breve, no governo integral de Cristo. Lá não haverá mais dor ou imperfeição, seja ela de qualquer natureza. Tudo será perfeita plenamente redimido. Não, Zander, você não faria melhor. Você nem pode impedir sua morte, como poderia controlar a criação? Deus é a vida e ele a dá e a tira de acordo com sua soberania.

    Com relação ao big bang, a ciência diz não saber. Sabiamente, quando algo a contradiz ela se cala e o define como algo desconhecido. Ela sabe que há algo por trás e que esse algo desencadeou tudo isso. Mas ela reluta em admitir que seja o Criador. Tudo bem! Ele não precisa desse “reconhecimento”. Os céus proclamam a sua glória, como diz um trecho das Escrituras.

    Com relação ao avanço esperado pela ciência, eu concordo plenamente com você. A tendência é essa e às vezes no meio acadêmico nos questionamos onde isso vai parar. É até difícil imaginar mais avanços, mas eles, fatalmente, ocorrerão. No entanto, isso em nada significará na perda de valor das Escrituras. Para entender a si mesmo e a necessidade de voltar-se a Deus, somente a Bíblia. A natureza, nessa busca frenética do homem por respostas, ajudará o homem nessa questão.

    Zander, as Escrituras não precisam e nem devem passar pelo crivo cientifico. Elas não precisam de meios humanos para se justificar. Já o é! Pela fé o cremos e, também, por evidências históricas de que o homem sempre necessitou de redenção e de que sua trajetória sem Deus sempre foi sofrível. E a ciência nunca tornou a humanidade melhor. Ela trouxe respostas e evidenciou a ruína em que se encontra.

    Abraços!

    • Zander says:

      Amigo, a Ciência não se constituiu em formalidade para aplicar seu crivo nas Escrituras. Aliás, nem liga para elas. Passe superficial na História constatará que a ciência avança motivada em solucionar problemas do ser humano no seu planeta. Da Medicina à Engenharia, o debruçar dos cientistas não tem o texto bíblico ao lado para cotejar; não é essa a motivação. Repilo o contexto ridículo das contendas ciência x religião, ciência x Bíblia. A ciência afirma: o homem surgiu na África e ponto. “A Origem das Espécies” não tem cada capítulo comparado aos bíblicos. Se fuçar, encontrará a origem do apontamento daquelas contendas entre os religiosos. Sempre fizeram isso. Bastava um Copérnico ou um Galileu contrariar um versículo e logo lhes vinham as chibatadas das trevas, negaceando. Costumo afirmar que, não fora as religiões, a Humanidade estaria tão avançada que talvez eu estaria digitando esse texto pra você a partir de Saturno, em férias. E sem ter de fazer mais um teste PSA e exame de toque pra ver a quantas anda a minha próstata.

      Antes do telescópio Hubble, o primeiro em órbita e com capacidade de alta definição, ser lançado, os que estavam na Terra nos davam a imagem da Exosfera deficiente, semelhante à vista por um indivíduo que está de pé, dentro de uma piscina, olhando o que se passa nas suas bordas. Ou seja, uma imagem turva e deformada. A posição orbital melhorou a visão da Exosfera como se o tal indivíduo na piscina tivesse dela saído, tendo, agora, outra capacidade de ver. O telescópio Weber, como já disse, a ser posicionado em 2013, além de estar geograficamente melhor que o Hubble, terá tecnologia muito mais avançada. Toco novamente nesse tema face à relevância. Pois, pelo que li, haverá uma explosão de conhecimento. Já li autores que afirmam que a derrocada das religiões se acentuará a partir da entrada em ação do Weber. Há quem diga que o texto bíblico não terá como se sustentar. (Para mim isso já ocorre desde a minha infância).

      Ô, meu rapaz! Como pode afirmar que a Ciência nunca tornou a Humanidade melhor? De cara, graças às Ciências Jurídicas os seres humanos trucidaram o racismo presbiteriano que imperava no Estados Unidos e o racismo protestante implantado pelos holandeses na África do Sul! Os grilhões que voês, protestantes, impuseram nos dois países só tiveram rompimento graças ao avanço do pensamento científico em várias áreas, das sociais às fisiológicas, além das do Direito. Só nesse aspecto já se vê uma grande melhoria. E na área da Medicina? E na da Engenharia? E em todas as áreas, seja lá qual for?

      O seu último parágrafo está decepcionante. Escrever que a trajetória do homem sem Deus é sofrível é sofrer de cegueira. A fé, Lino, barbariza o ser humano. No dia 19 de abril de 1506, na cidade de Domingos de Pascoela, na igreja de São Domingos, estavam fiéis a orar, pedindo a Deus que cessasse a seca que impactava a Europa. Lá pelas tantas, um fiel viu uma luz que vinha do crucifixo. Todos se convenceram de que era um sinal divino de atendimento às súplicas. Então, um cristão-novo (como eram chamados os judeus convertidos) percebeu que se tratava de uma lamparina. Anunciou que era um equívoco aquele sinal, pois a luz era real. Enfurecidos, em nome de Deus, os fiéis arrastaram o homem pelos cabelos e, fora da igreja, o mataram. Os fiéis saíram para contar ao pároco a heresia praticada pelo coitado. O clérigo brandiu um crucifixo e passou a gritar “heresia, heresia”. A turba, em nome de Deus, se enfureceu e passou a caçar todos os cristãos-novos que havia pela cidade, matando todos os que encontravam, da forma mais bárbara que se pode imaginar. Incluindo, aí, CRIANÇAS, as benvindas por Jesus. Só pararam de matar por cansaço, segundo um jornal da época.

      É medieval? Pois bem. Pela fé, por Alá, hoje, muçulmanos estão levando a termo a “jihad”. Explodem seus corpos com bombas para dar sequência ao refrão “morte aos infiéis”. É pouco, n’é? Na Irlanda do Norte católicos e protestantes vivem às turras, cada um pleiteando maiores privilégios que o outro na sociedade. Há pouco tempo matavam-se em nome de Deus. Não se matam mais, não por interferência divina, mas por imposição de seres humanos, certamente, ateus, hereges, ímpios, gente com ética e escrúpulo.

      Mais um abraço, há muitos abraços aqui para lhe serem enviados.

      Zander

  32. Iêda castro says:

    OI ZANDER, SÓ AGORA VI QUE SE DIRIGIU A MIM, POR ISSO NÃO RESPONDI ANTES. CONTINUO AFIRMANDO QUE A PALAVRA DE DEUS É VIVA E EFICAZ. SE ELA NÃO ALCANÇOU AINDA TODAS AS PESSOAS DO PLANETA TERRA NÃO FOI POR SER INOPERANTE, MAS PELA DEFICIÊNCIA DO PRÓPRIO HOMEM QUE É ORGULHOSO E EGOCÊNTRICO.TANTO É QUE O PRÓPRIO JESUS, ASSEGUROU QUE A SUA PALAVRA CONDENARÁ OS QUE O REJEITAREM (JO 12.48). iSTO NÃO QUER DIZER QUE ELA É INEFICAZ, MAS QUE PRECISA SER CONSIDERADA PARA QUE VÁ DE ENCONTRO AO SEU PROPÓSITO. E PARA QUE ISSO POSSA ACONTECER É NECESSÁRIO TER FÉ. E A FÉ PODE COMEÇAR A BROTAR, QUANDO COLOCAMOS NOSSO ORGULHO DE LADO, SABENDO QUE SOMOS TÃO INCAPAZES QUE NÃO CONSEGUIMOS EXPLICAR NEM MESMO A RAZÃO DE UM BOCEJO.UMA COISA TÃO SIMPLES, TÃO SEM UTILIDADE APARENTEMENTE, MAS QUE TOMA HORAS DE ESTUDO DE HOMENS CHAMADOS “CIENTISTAS” E QUE MUITAS VEZES SÃO MAIS HONRADOS QUE O PRÓPRIO CRIADOR DESTE ATO CURIOSO E INVOLUNTÁRIO DO SER HUMANO. VÁRIAS HIPÓTESES SÃO LEVANTADAS, MAS NÃO SE CHEGA A NENHUMA CONCLUSÃO. POR AÍ PODEMOS VER QUÃO PEQUENOS SOMOS, QUÃO LIMITADOS SOMOS. DE UMA LIMITAÇÃO BEM MAIOR QUE “A PEQUENEZ DO NOSSO PEQUENO BOCEJO”. QUANTO A BANCADA EVANGÉLICA DO NOSSO CONGRESSO, CONCORDO COM VOCÊ, ACHO QUE ESTÁ CHEIA SIM DE PESSOAS QUE SE ESCONDEM ATRÁS DA BÍBLIA, USANDO-A COMO UM ESCUDO, COMO SE ISSO FOSSE CAPAZ DE ESCONDER SUAS FALCATRUAS, OU SUA FALSA FÉ. E QUANTO A ABRIR SUAS BOCAS PARA CITAR VERSÍCULOS BÍBLICOS CREIO QUE NÃO FAZ NENHUMA DIFERENÇA NESSE CASO, POIS O ATO É PRATICADO PARA MASCARAR UMA FALSA FÉ OU ATÉ SUAS IDEOLOGIAS, TENTANDO USAR O NOME DE DEUS EM BENEFÍCIO PRÓPRIO, NESSE CASO, CREIO QUE É DESNECESSÁRIO DIZER QUE CEDO OU TARDE SERÃO DESMASCARADOS, VISTO QUE ESSAS ATITUDES NÃO SÃO BASEADAS NA SINCERIDADE DA FÉ OPERANTE.QUANTO A ENCONTRAR MAIS FACILMENTE DISCERNIMENTO, ESCRÚPULO E PUDOR ENTRE OS HEREGES,ÍMPIOS E ATEUS, DISCORDO DE VOCÊ. NÃO QUE ISTO NÃO SEJA POSSÍVEL, POIS DEUS DOTOU A TODOS OS HOMENS DE SENSO MORAL, MESMO NÃO PROFESSANDO FÉ ALGUMA, SOMOS SERES MORAIS, MAS , CREIO QUE O HOMEM SE TORNA BEM MELHOR MESMO COM TODA SUA IMPERFEIÇÃO E INCAPACIDADE; QUANDO SUA VIDA É AFERIDA COM OS ENSINAMENTOS DE CRISTO. DIGO POR EXPERIÊNCIA PRÓPRIA. SOU UM SER HUMANO BEM MELHOR DO QUE ANTES DE CONHECER E VIVENCIAR OS VALORES CRISTÃOS EM MINHA VIDA. SEM FALSA MODÉSTIA, HOJE SOU CAPAZ DE SOFRER COM O SOFRIMENTO DO PRÓXIMO,NÃO UM SOFRER DE PALAVRAS E COBRANÇAS SIMPLESMENTE,NÃO UM SOFRER DE COBRAR UM AGIR DE DEUS OU DAS AUTORIDADES COMPETENTES, MAS UM SOFRER BASEADO NA FÉ QUE PRODUZ AÇÃO. SOU CAPAZ DE SAIR DA MINHA ZONA DE CONFORTO E COLOCAR A MÃO NA MASSA POR ALGUÉM. SOU CAPAZ DE ABANDONAR MINHAS HORAS DE DESCANSO, FRENTE AO TELEVISOR, ASSISTINDO UM DISCOVERY, TENTANDO NEGAR A EXISTÊNCIA DE DEUS ATRAVÉS DA CIÊNCIA, PARA IR A UM HOSPITAL LEVAR UM ABRAÇO OU UM” VERSÍCULO BÍBLICO” QUE TRAGA ESPERANÇA E FÉ A ALGUÉM QUE VÊ ISTO COMO A MAIOR RIQUEZA DE SUA VIDA; DE LEVAR HORAS ENSINANDO MEUS FILHOS, NÃO A TEORIA DO BIG BANG, ATRAVÉS DO DISCOVERY, MAS INCUTINDO NO CORAÇÃO DELES QUE O SOFRIMENTO DAS CRIANÇAS OU SEJA LÁ DE QUEM FOR, PODE SER AMENIZADO POR UMA AÇÃO MINHA. HOJE SOU SENSÍVEL AO PONTO DE ENCONTRAR UM ANIMAL FERIDO NA RUA E TRAZÊ -LO PARA MINHA CASA, CUIDAR DELE E IR EM BUSCA DE UM ABRIGO PARA QUE POSSA TER UM DESTINO MENOS PIOR.HOJE SOU CAPAZ DE VALORIZAR O CANTO DE UM PÁSSARO, O CURIOSO E ALUCINANTE BATER DE ASAS DE UM BEIJA-FLOR, SOU CAPAZ DE RECONHECER QUE DENTRO DE UM MISTÉRIO COLOSSAL FUI FORMADA DENTRO DO VENTRE DE MINHA MÃE E DEPOIS DENTRO DO MEU PRÓPRIO, PUDE DAR CONTINUIDADE AO MISTÉRIO DA VIDA QUE MUITAS VEZES NOS DEIXA CHOCADOS E MARAVILHADOS PORQUE NÃO SABEMOS EXPLICAR. QUE FIQUE BEM CLARO QUE NÃO TENHO INTENÇÃO AQUI DE TE CONVENCER A NADA. VOCÊ TEM O DIREITO DE SER E PENSAR COMO QUER. SÓ SENTI O DESEJO DE RESPONDER A VOCÊ QUE ACHA QUE SOU SIMPLESMENTE UMA REPETIDORA DE VERSÍCULOS BÍBLICOS. QUE SOU SIMPLESMENTE UMA “INOCENTE ÚTIL”,( O QUE EQUIVALE DIZER QUE SOU MASSA DE MANOBRA, MARIONETES)QUE NÃO ME ENVERGONHO DO EVANGELHO DE CRISTO QUE É PODER DE DEUS PARA TODO AQUELE QUE CRÊ, E QUANTAS VEZES SE FIZER NECESSÁRIO OS CONTINUAREI CITANDO, NÃO PORQUE ALGUÉM ME INDUZIU A ISTO, PARA CUMPRIR SEUS PROPÓSITOS INTERESSEIROS OU EGOÍSTAS, (SOU UM SER PENSANTE, NÃO PRECISO QUE FAÇAM ISTO POR MIM RSRS) MAS PORQUE VIVO O PODER TRANSFORMADOR DO EVANGELHO A CADA DIA NA MINHA VIDA. E POR ISTO MESMO POSSO DIRIGIR A VOCÊ NESSE MOMENTO OS MEUS RESPEITOS, SEM HIPOCRISIA,CINISMO OU SARCASMO.

  33. Iêda castro says:

    Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes, todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar. HB 4.13-14

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: