Como sei que Deus me ama?


Como um carro desgovernado tendendo a um abismo, um grupo de presas caminhando em direção aos seus mais cruéis predadores, assim nos tornamos após a Queda no éden. Por esse pecado, a morte conquistou seu reinado e o relacionamento entre Deus e o homem transformou-se radicalmente a ponto de o Criador ser uma figura tão desconhecida e confusa para uma humanidade caída, que até mesmo um simples animal era um potencial candidato a deus. A compreensão de Deus pelo homem mudou.

Após esse episódio, fico me perguntando o que seria de nós se Deus nos deixasse a nossa própria sorte. Que rumo teria tomado a idolatria – eu me questiono sobre ela, porque quase choro quando vejo que nações afundadas em miséria e todo tipo de lástima são as mais idólatras. Com relação a nós, como estaríamos? O fim, sem duvida alguma, seria previsível: Uma quantidade incontável de pessoas sofrendo a maior de todas as conseqüências de uma vida longe de Deus: a morte eterna.

Entretanto, após a Queda, eu vejo algo completamente diferente e surpreendente: Deus, em sua santidade, á procura de pecadores para mostrar-lhes sua glória, seu amor e o maior e melhor plano que o universo conheceu: a Redenção por meio de Jesus – Glórias a Deus! Enfim, Deus procura pessoas para se relacionar. Parece que, ao contrário da nossa compreensão, a de Deus por nós segue intacta.

O Senhor se deixa conhecer, se apresenta a Moisés com um EU SOU que ainda hoje não compreendemos a abrangência do “Ser”. Ele se comunica, por meio dos profetas, e quando não obtém um retorno positivo, se entristece, lamenta, se ira, anuncia condenação e mais a frente, em meio a um ínfimo indício de arrependimento e quebrantamento, desfaz prontamente o juízo e dá livramento. A propósito, essa foi a forma de contato, de comunicação entre Deus e o homem por muito tempo. A não ser pelos profetas, a voz de Deus era inaudível.

Quando parecia ser essa a melhor forma de Deus se revelar, Jesus, “o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder”(Hb 1:3), nos é enviado, “na plenitude dos tempos”(Gl 4:4) e transforma de uma vez por todas nosso destino e condição. Éramos como ovelhas desgarradas (Is 53:6), mas agora temos O Bom Pastor.  Não apenas nossos ouvidos são abertos á voz do Altíssimo, mas nossos olhos. Com Cristo, o império da morte ruiu.

Como nenhum profeta, Jesus transmite de forma cristalina a palavra de Deus. Indiscriminadamente, Sua voz é ouvida na Palestina e, posteriormente, em todo o globo. É Ele a palavra; por Ele tudo foi feito; n`Ele habita a plenitude de Deus. Quando ele cita o texto de Deuteronômio 8:3 na tentação (Mt 4), quando ele acusa os fariseus de não ouvirem e praticarem a palavra de Pai, Ele falava de Si mesmo. O mundo foi visitado em carne por Deus. “O povo que andava em trevas, viu uma grande luz, e sobre os que habitavam na região da sombra da morte resplandeceu a luz”. O que era impossível, agora se torna real: através de Jesus, vemos Deus.

A única forma de conhecermos Deus, seu amor por nós e o poder de sua Graça é nos rendermos a Jesus, pois não há relacionamento com o Pai sem o Filho. Quando fazemos isso, nosso espírito recebe suas belezas e suas riquezas. Sua graça nos envolve e retira a condenação do pecado; restaura nossa posição de filhos e nos livra da morte – a eterna! Somos transformados, definitivamente, á imagem e semelhança de Deus. O que era palco de pecado e imundícia torna-se Sua habitação, após um lavar regenerador do Sangue do Cordeiro.  Tudo converge para Cristo. Ele é o assunto. Ele é o motivo de uma vida de adoração. Ele é a verdadeira inspiração. É a Ele que devemos ir. Entender isso é entender a vontade de Deus.

Há momentos que nossa fé balança e não conseguimos ver quem somos para Deus, principalmente quando tudo parece dar errado. Somos bombardeados por perguntas a respeito da preocupação e do amor de Deus por nós. Sentimo-nos abandonados e esquecidos. É porque Deus nos ama que tudo isso aconteceu. Por nos amar, Jesus veio, sofreu, morreu e ressuscitou. Sim, ele se preocupa conosco e nos ama incondicionalmente. Como eu sei? Jesus é a resposta.

Eu quero terminar este comentário com uma oração de Paulo pela igreja de Éfeso. Porque antes de tudo, é a vontade de Deus “que Cristo habite pela fé nos vossos corações; a fim de, estando arraigados e fundados em amor, poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus” (Ef 3:17-19).

Obrigado, Senhor, por Jesus!

Deus abençoe você!

Tiago Lino

Anúncios

Sobre Blog do Lino
Sou filho de Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: